A “GUERRA BRANDA” DOS EUA CONTRA O IRÃ E OS SEUS ALIADOS ESTÁ VOLTADA CONTRA WASHINGTON

Por Elijah J. Magnier : @ejmalrai

Traduzido por: Alan Regis Dantas

A administração dos Estados Unidos sob Barack Obama elaborou a “Lei de César” em 2016 para subjugar a Síria, mas a manteve na gaveta. O Presidente Donald Trump e a sua administração tiraram o poeira e estão agora estão implementando a “Lei de César”.Na verdade, o Irã está colhendo enormes benefícios, incluindo aliados mais robustos e fortalezas resistentes, como resultado das políticas erradas dos EUA no Oriente Médio. Na verdade, a política de Trump é maná para o Irã: a administração dos EUA está jogando diretamente nas mãos de Teerã. O Irã está colhendo enormes benefícios, incluindo aliados mais robustos e bastiões mais resistentes como resultado das políticas erradas dos EUA no Oriente Médio.  Motivado pela ameaça da implementação da “Lei de César”, o Irã preparou uma série de passos para vender seu petróleo e financiar seus aliados, contornando o esgotamento de suas reservas em moeda estrangeira.

Advertisements
Advertisements
Advertisements

Subscribe to get access

Read more of this content when you subscribe today.

As empresas iranianas encontraram na Síria um paraíso para investimentos estratégicos e ofereceram a alternativa necessária a uma economia síria aleijada por sanções e nove anos de guerra. O Irã considera a Síria um terreno fértil para expandir seu comércio e seus negócios como nunca antes. Encontrou também uma forma de apoiar a moeda síria e de evitar escavar as suas reservas de divisas estrangeiras, contornando as sanções dos EUA tanto na Síria como no Irã, ao mesmo tempo que ajuda o resto dos seus aliados.

O Irã forneceu à Síria mísseis de precisão e outros mísseis antiaéreos, apesar das centenas de ataques aéreos israelenses que conseguiram destruir grandes quantidades destes mísseis avançados iranianos, mas sem remover a ameaça a Israel.

Além disso, após o anúncio da implementação da “Lei de César”, o Irã enviou uma grande delegação comercial à Síria para programar o fornecimento das primeiras necessidades e bens em um período de sanções. O Irã tem grande experiência neste negócio e, depois de viver 40 anos sob sanções, está em uma excelente posição para aconselhar o Presidente Assad.

Advertisements
Advertisements
Advertisements

Subscribe to get access

Read more of this content when you subscribe today.

Os EUA e Israel, que trabalharam durante os anos de guerra na Síria para remover o Irã, foram de fato o impulso para a presença do Irã (e da Rússia) no Levante, em primeiro lugar. Os EUA estão agora impondo a “Lei de César”, que ajudará o Irã a cimentar sua presença no Levante e na Mesopotâmia. Está prevista a construção de uma linha férrea entre Teerã e Damasco (e possivelmente Beirute): este eixo poderá transportar centenas de milhares de barris de petróleo e toneladas de mercadorias. A única maneira de os EUA reduzirem os danos colaterais é finalmente aceitar que todas as suas “máximas pressões” e sanções mais duras sobre o Irã e seus aliados tenham poucas chances de funcionar. Entretanto, é o Irã que avança com um círculo robusto de aliados, e os EUA e Israel são deixados com aliados no Médio Oriente que são simultaneamente ineficientes e insignificantes.

Elijah J Magnier é correspondente de guerra veterano e analista de risco político sênior com mais de três décadas de experiência

Aos meus leitores: Eu não posso mais dar acesso aberto aos meus artigos. Infelizmente, não tenho outra alternativa senão pedir apoio individual. Quando você assina, você está apoiando o jornalismo investigativo necessário para uma compreensão robusta do que está acontecendo no Oriente Médio. Obrigado a todos que podem contribuir.

Advertisements
Advertisements
Advertisements
Advertisements

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.