Os EUA se preparam para descer da árvore e regressar ao Acordo Nuclear Iraniano

Elijah J. Magnier

Trad. Alan Dantas
  A administração dos EUA intensificou os seus contatos com seus aliados no Oriente Médio para diminuir a tensão criada por Donald Trump nas suas últimas semanas no cargo. Mensagens indiretas chegaram ao Irã vindas do Kuwait, Omã, Qatar e, mais recentemente, do Iraque, afirmando que os EUA têm a intenção de honrar o seu compromisso e desejam regressar ao acordo de 2015 que foi revogado por Trump em 2018 (- já tinham respondido “positivamente” no ano passado, rejeitando a tentativa de Trump de conseguir um acordo nos seus últimos dias de mandato). O Irã recebeu as mensagens e Teerã também respondeu enviando sinais positivos ao Presidente dos EUA Biden através dos mesmos canais de retorno, oferecendo sugestões sem renunciar ao ceticismo sobre as verdadeiras intenções dos EUA que ainda estão de alguma forma ligadas às duras sanções de Trump. O Irã não tem confiança no que um candidato presidencial pode prometer antes das eleições, porque a maioria dos presidentes muda de política uma vez em na função. No entanto, fortes indicações levaram à crença de que uma tentativa dos EUA de encurtar a lista de espera, dar prioridade ao Irã, e finalmente colocar o acordo nuclear original de volta aos holofotes poderia estar entre as cartas.

O chefe de gabinete de Israel Aviv Kochavi expressou a oposição de Israel contra o regresso dos EUA ao acordo nuclear iraniano de 2015 e ameaçou o Irã. Kochavi não ousaria criticar a nova administração dos EUA se não tivesse recebido a bênção e incentivo do Primeiro Ministro Benyamin Netanyahu, também conhecido na região como o “valentão do Oriente Médio”. O chefe de pessoal Israelense ultrapassou o seu papel militar, preparando o caminho para a visita a Washington do chefe da agência de informação Mossad, Yossi Cohen, esperada para a próxima semana. Cohen divulgou aos meios de comunicação locais as suas críticas ao discurso de Kochavi criticando Biden e afirma tê-lo descrito como “irresponsável”. No entanto, este tipo de papéis de “bom polícial, mau policial” são uma parte estabelecida do repertório israelita.

Na próxima semana, o Primeiro-Ministro de Israel deverá visitar os Emirados Árabes Unidos (EAU) para consolidar uma frente unida contra o desejo declarado da administração de Biden de regressar ao acordo nuclear (conhecido como Plano de Ação Global Conjunto – JCPOA). 

Subscribe to get access

Read more of this content when you subscribe today.

Advertisements
Advertisements
Advertisements

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.