Gaza atinge o prestígio de Israel

Elijah J. Magnier

Trad. Alan Dantas
Com suas diferentes facções palestinas, Gaza consagrou coletivamente o estado de consciência de toda a Palestina e alcançou seu objetivo de quebrar o prestígio de Israel, apesar da alegação do Primeiro Ministro Benjamin Netanyahu de que se tornara “uma superpotência, não apenas uma potência regional”. Esta nova consciência palestina foi alcançada após a escalada israelense e a campanha agressiva contra o bairro Sheikh Jarrah (leia abaixo toda a história) habitado por mais de 38 famílias palestinas ameaçadas de despejo de suas casas. Israel também atacou selvagemente os manifestantes da Mesquita Al-Aqsa.

Subscribe to get access

Read more of this content when you subscribe today.

O destino do bairro Sheikh Jarrah se tornou uma questão internacional que elevou a consciência global e a solidariedade com os palestinos oprimidos. A causa palestina havia estado ausente da arena internacional após as normatizações dos países árabes e islâmicos e quando Donald Trump ofereceu toda Jerusalém a Israel.

Entretanto, não se espera que a batalha em Gaza termine logo porque Israel está tentando restaurar o poder dissuasor que perdeu devido aos mísseis palestinos disparados com sucesso de Gaza. Além disso, o que é incomum é a revolta dos árabes de 1948. Após 72 anos de coexistência, na cidade de Lod em particular e em outras cidades mistas árabes-israelenses, eles provaram que a nova geração quer recuperar seu território ocupado, rejeitando os fracassados acordos de Oslo e Camp David.

Os acontecimentos tempestuosos não são gerados apenas a partir do campo: Os foguetes de Gaza queimam o chão que pisa o presidente palestino Mahmoud Abbas (Abu Mazen). Abbas atrasou as eleições parlamentares e presidenciais que inevitavelmente levariam à perda da presidência que ele tem se mantido desde 2005. Israel, é claro, acredita que o atual presidente palestino é seu melhor parceiro porque ele rejeitou a resistência armada. Além disso, Abbas mantém a cooperação de segurança com Israel e impede qualquer possibilidade de que os palestinos que vivem na Cisjordânia se juntem a Gaza para enfrentar tanto a agressão israelense quanto a sua expansão.

É altamente plausível que Israel também tenha agido no seu próprio interesse ao interromper as eleições presidenciais palestinas que coincidiram com o despejo ilegal das famílias do xeque Jarrah para impedir que os palestinos em Jerusalém participassem das urnas. O primeiro-ministro israelense Benyamin Netanyahu está sem dúvida ciente de que atacar al-Aqsa e os habitantes de Jerusalém é como acender o rastilho de um barril de pólvora. A primeira e a segunda intifada foram a melhor prova destas possibilidades explosivas.

O Hamas, a “Jihad Islâmica”, e todas as outras facções da Faixa de Gaza conseguiram se unir com Jerusalém e defendê-la. O Hamas não começou a bombardear os assentamentos israelenses antes de dar a Israel muitas horas para parar de atacar a população civil em Jerusalém. No entanto, Tel Aviv insistiu em sua posição e arrastou todos para a batalha para que Benjamin Netanyahu atingisse seus objetivos de adiar as eleições israelenses para salvar seu futuro político. Os grupos palestinos em Gaza bombardearam Jerusalém, Tel Aviv, Ashkelon, Ashdod com centenas de foguetes que chegaram não muito longe de Haifa. As autoridades israelenses não conseguiram antecipar a intensidade da resposta dos foguetes palestinos e a reação a seu abuso de poder e ao bombardeio de Gaza. Os vários grupos de resistência provaram sua credibilidade com o tempo e a intimidação. Eles ganharam uma popularidade mais significativa entre as populações palestinas e árabes apoiando a causa e contra a normalização com Israel.
Entre os objetivos mais críticos que os palestinos alcançaram em Gaza estava o de demonstrar o fracasso do Iron Dome em interceptar todos os foguetes baratos de fabricação nacional que chegavam, visando as áreas israelenses. Gaza inundou os sofisticados sistemas de interceptação israelenses ao lançar mais de 100 foguetes simultaneamente. Israel admitiu que não podia deter o lançamento de foguetes, embora o exército israelense tenha bombardeado dezenas de alvos. Para prejudicar a população, Israel bombardeou várias torres civis (al-Hanadi, al-Jawhara e al-Shorooq) em áreas comerciais e residenciais de prestígio, com a intenção de virar os habitantes contra os grupos palestinos que enfrentavam Israel.

Até agora, pelo menos 69 palestinos perderam suas vidas e 6 israelenses, incluindo um oficial militar, foram mortos na troca de bombardeios. Os grupos palestinos foram capazes de lançar mais de 1300 foguetes. Cenas embaraçosas apareceram de membros do Knesset israelense e do Ministro da Defesa fugindo para abrigos anti-bomba.

Israel não só perdeu sua capacidade de dissuasão, mas também seu prestígio. Nos anos 1940, um grupo terrorista judeu atacou as forças britânicas e explodiu o Hotel King David em 1946, matando 91 pessoas. O Grupo Irgun reivindicou a responsabilidade pelo ataque, no qual foram mortos funcionários do Império Britânico, que governavam a Palestina na época. David Ben-Gurion, o fundador do chamado Estado de Israel, foi questionado na época: “Será que as gangues do Haganah derrotarão a Grã-Bretanha com este bombardeio?” Ele respondeu: “O objetivo é quebrar o prestígio do Império Britânico”. Gaza quebrou o prestígio do mito israelense.

A história do bairro Sheikh Jarrah

Após a expulsão dos palestinos conhecida como “Nakba” em 1948, cerca de 750.000 palestinos foram forçados a fugir de suas casas para os países vizinhos. Após estes acontecimentos, 28 famílias (hoje são 38) se estabeleceram no bairro Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental, em 1956. Eles chegaram a um acordo com o Ministério da Construção e Desenvolvimento da Jordânia e a agência de refugiados da ONU (UNRWA) para fornecer moradia no bairro Sheikh Jarrah. Naquela época, a Cisjordânia estava sob domínio jordaniano (1951-1967).

O governo jordaniano forneceu o terreno enquanto a UNRWA cobria o custo de construção de 28 casas para essas famílias. Foi acordado que os residentes pagariam uma taxa simbólica, desde que a propriedade fosse transferida aos residentes mais de três anos após a conclusão da obra”.

Isto, entretanto, foi interrompido pela ocupação israelense da Cisjordânia, incluindo Jerusalém, em 1967, o que impediu o registro das casas sob os nomes das famílias.

Neste mês, o Ministério das Relações Exteriores da Jordânia afirmou ter fornecido ao Ministério das Relações Exteriores da Palestina 14 acordos ratificados destinados ao povo do bairro Sheikh Jarrah em Jerusalém Oriental, que apóiam a reivindicação de suas terras e propriedades.

Em uma declaração, o Ministério disse que entregou um certificado aos residentes provando que o Ministério da Construção e Desenvolvimento da Jordânia havia concordado com a UNRWA em estabelecer 28 unidades habitacionais no Sheikh Jarrah para serem delegadas e registradas em nome dessas famílias. O processo, entretanto, foi interrompido como resultado da ocupação israelense da Cisjordânia em 1967. O Ministério havia previamente fornecido ao lado palestino todos os documentos que poderiam ajudar os Jerusalemitas a manter seus plenos direitos, incluindo contratos de arrendamento, listas de nomes de beneficiários e uma cópia do acordo concluído com a UNRWA em 1954.
Em 1972, o Comitê Sefárdico e o Comitê do Knesset de Israel alegaram que eram donos do terreno em que as casas foram construídas em 1885, e pediram ao tribunal que despejasse quatro famílias de suas casas no bairro, acusando-as de grilagem.

Em 1982, as associações israelenses de assentamentos apresentaram um caso de despejo contra 24 famílias no bairro Sheikh Jarrah e 17 famílias designadas pela advogada israelense Tosia Cohen para defendê-las. Em 1991, a advogada assinou um acordo, sem o conhecimento das famílias, de que a propriedade da terra pertencia às associações de assentamentos. O advogado colocou as famílias palestinas sob a ameaça de despejo se elas não pagassem o aluguel às associações de assentamentos.

Em 1997, Suleiman Darwish Hijazi, um residente, entrou com uma ação judicial na Corte Central Israelense para provar sua propriedade da terra, utilizando títulos de propriedade emitidos pelo Império Otomano, trazidos da Turquia. A ação, entretanto, saiu pela culatra quando o tribunal rejeitou a reivindicação em 2005.

O tribunal disse que os papéis não provaram sua propriedade de terra, e o recurso do Hijazi no ano seguinte foi rejeitado. Em novembro de 2008, a família al-Kurd foi despejada de sua casa, seguida pelo despejo das famílias Hanoun e al-Ghawi em agosto de 2009.

Até agora, 12 famílias palestinas da vizinhança receberam ordens de despejo emitidas pela corte central israelense e pelos magistrados. Quatro famílias palestinas apresentaram uma petição à Suprema Corte, o mais alto órgão judicial de Israel, contra uma decisão de expulsá-las de suas casas. A Corte Central Israelense em Jerusalém Oriental aprovou uma decisão no início deste ano para expulsar quatro famílias palestinas de suas casas no bairro Sheikh Jarrah em favor dos colonos israelenses de direita.

Em 1948, a família al-Sabbagh fugiu de sua casa em Jaffa habitada agora por israelenses Al-Sabbagh, uma família de 32 membros, incluindo dez filhos, teme que o veredicto do tribunal faça dele e de sua família refugiados novamente.

Advertisements
Advertisements
Advertisements

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.