Putin-Erdogan firmaram um bom acordo sobre Idlib, por Elijah J. Magnier

Dnj94ouXcAES72l

Blog do Alok

sábado, 22 de setembro de 2018

21/9/2018, Elijah J. Magnier Blog : @ejmalrai

Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu via 

Muito ceticismo cerca o destino da cidade de Idlib depois do acordo firmado entre os dois presidentes, Vladimir Putin e Recep Tayyip Erdogan, que levou à suspensão da operação militar longamente esperada contra os jihadistas e seus aliados. Só uns poucos detalhes do acordo foram revelados, mas o suficiente para lançar dúvidas sobre se é plenamente válido e sustentável. Mesmo assim, há otimismo generalizado no lado russo, iraniano e turco – e os jihadistas em Idlib e arredores já não veem uma confrontação como inevitável. A diferença chave agora, depois do acordo Putin-Erdogan, é que a Turquia não mais estará presente para defender jihadistas, nem Erdogan agitará o caldeirão europeu, com ameaças de um “êxodo de milhões” (para o velho continente), alavanca para impedir a batalha de Idlib.

O que se vê no que foi divulgado é que ambos, Erdogan e Putin ajudaram-se mutuamente a descer da árvore de Idlib que escalaram em meses recentes e fizeram concessões razoáveis e adequadas.

Antes do acordo de Idlib, Putin prometera limpar de jihadistas a cidade e arredores e apoiara a retórica do presidente Bashar al-Assad: “cada polegada de território sírio será libertada”. O exército sírio reunira a maior parte de suas forças dentro dos 4 mil km2 da área ao norte, ocupada pela Turquia, seus representantes locais e outros jihadistas. Esse movimento disparou reação forte dos EUA, que têm soldados ocupando partes do nordeste (al-Hasaka) e do leste (al-Tanf) da Síria.

A libertação de Idlib (se nenhum acordo tivesse sido assinado) – seguida da eliminação da ocupação pelo ISIS em todo o território no Levante – teria tirado dos EUA o derradeiro pretexto para que forças dos EUA continuem a ocupar território sírio. Washington seria forçada a desmontar suas três principais bases (de um total de 12, tudo somado) e aeroportos que foram montados na Síria, quando a presença dos EUA foi questionada no Iraque. Esses fatores empurraram os EUA a reunir aliados europeus e montar, conjuntamente, um plano para paralisar o exército sírio e também para deter o fluxo de refugiados para o velho continente, e para o qual seriam forjados “ataques químicos”. Em resposta às maiores manobras militares russas de todos os tempos nas costas sírias, os EUA reuniram suas forças no Mediterrâneo.

Rússia e Irã compreenderam que os EUA estavam decididos a encontrar – ou a forjar – qualquer pretexto para destruir o exército sírio. Seria grave humilhação para Putin, se a Rússia não respondesse em defesa ao seu aliado sírio. Moscou ficaria como país muito fraco, o título de superpotência limitado ao número de suas ogivas nucleares e ao seu peso na ONU, mas exposto como claramente impotente para proteger um aliado. E no evento de retaliação russa, a ataque dos EUA à Síria, o resultado seria impensável.

Para Erdogan, guerra contra Idlib lhe custaria a posição de líder no mundo islâmico. Se uniria à Arábia Saudita na ignomínia – ex-líder no mundo islâmico, a Arábia Saudita perdeu status ao se alinhar abertamente à política de EUA-Israel no Oriente Médio e, especialmente, no que tenha a ver com a causa dos palestinos. No evento de sírio e russos libertarem Idlib, os ‘representantes’ turcos locais de Erdogan ficariam sem defesa, e o status deles dentro da Turquia estaria gravemente comprometido.

Mas Rússia e Turquia são unidas por interesses estratégicos fundamentais, ainda mais que Rússia e Irã. Principalmente, Putin abre importante movimento dentro da OTAN, ao firmar aliança comercial, militar e estratégica com a Turquia, estado-membro importante da Aliança.

Todos que assinaram o acordo, incluído o Irã (que teve papel importante no sucesso das negociações), tinham muito a perder e pouco a ganhar no evento de uma batalha por Idlib. Só os jihadistas teriam tudo a ganhar dessa batalha.

DnizaptXoAEU-TM-1
https://www.thenational.ae/world/mena/full-text-of-turkey-russia-memorandum-on-idlib-revealed-1.771953

O acordo Putin-Erdogan impõe uma zona desmilitarizada na área que está sob controle exclusivo de jihadistas. Significa que não haverá jihadistas armados da Frente al-Nusra (também conhecida como Hay’at Tahrir al-Sham) na área rural ocidental de Idlib, na área rural de Hama Sahl al-Ghab. Significa que todas as fortificações têm de ser removidas; todo o armamento pesado tem de ser desmontado; e não se permitem ataques contra posições do exército sírio.

10 de outubro, 15 de novembro ou mesmo 15 de janeiro são prazos sempre curtos, para que a Turquia implemente todo o acordo. Significa que a Turquia terá de começar a implementar só o que seja possível, para impor seu controle sobre a área rural e a área urbana de Idlib. Significa só duas possibilidades: ou os jihadistas reavaliam suas opções e decidem atacar a Turquia, ou misturam-se aos grupos representantes locais da Turquia e autorizam a partida de todos os jihadistas estrangeiros.

A primeira via é suicidária, porque os exércitos sírio, turco e russo, e sobretudo todas as dezenas de milhares de “rebeldes” que se converteram em ‘agentes locais’ da Turquia, estarão contra eles. Os jihadistas terão de contar com Alá, e iniciar combates dentro daqueles 4.000 km2, sem qualquer possibilidade de escapar; e lutar até morrer. É altamente improvável, embora não se deva excluir a possibilidade de pequenos grupos rejeitarem o acordo, o que causará lutas internas entre grupos, em Idlib e na área circundante.

Entrementes, aliados sírios reforçaram suas posições na cidade de Aleppo com grande número de unidades das forças especiais. É resposta a informação de inteligência que revelou planos de jihadistas para atacar o “Projeto 3.000 Apartamentos” naquela cidade, no caso de o acordo não vingar.

A Rússia não está à procura de alguma nova guerra na Síria. O que quer é pôr fim a sete anos de guerra. Assim sendo, seria impensável para os russos iniciar um ataque a Idlib, onde há muitas forças militares de EUA e União Europeia em alerta total, algumas já fazendo manobras no Mediterrâneo e prontas a bombardear o Exército Árabe Sírio. O acordo de Idlib dá a Putin e Erdogan uma saída de suas posições cercadas e prejudicará os planos dos EUA, interessados em prolongar a guerra no Levante. Enquanto a Turquia mostrar boas intenções e, mais que isso, sinais de implementação concreta de alguns dos termos acertados no acordo de Idlib, sempre haverá espaço para ampliar o acordo. Uma coisa é certa, a Turquia com certeza imporá controle sobre a cidade de Idlib e arredores. Esse é o preço que o presidente Assad está disposto a pagar nesse momento – até que os EUA finalmente enterrem o machado de guerra.*******

Postado por Dario Alok às 15:48

Enviar por e-mailBlogThis!Compartilhar no TwitterCompartilhar no FacebookCompartilhar com o Pinterest

Marcadores: Batalha por Idlib, Elijah J. Magnier, Geopolítica, Guerra da Síria, Recep Erdogan, Vladimir Putin

If you read this reporting and you like it, please don’t feel embarrassed to contribute and help fund it for as little as 1 Euro. Your contribution, however small, will help ensure its continuity. Thank you.

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.