O Irã constrangeu Netanyahu e encurralou o Ocidente em Viena

In this photo taken and released on Saturday, April 10, 2021, by the Atomic Energy Organization of Iran, newly domestic built IR-9 centrifuge is displayed in a ceremony to commemorate Iran’s new nuclear achievements in Tehran, Iran. Iran said Saturday it has begun mechanical tests on its newest advanced nuclear centrifuge, even as the five world powers that remain in a foundering 2015 nuclear deal with Iran attempt to bring the U.S. back into the agreement. (Atomic Energy Organization of Iran via AP)

Elijah J. Magnier


Trad. Alan Dantas

A República Islâmica provou ser um tubarão de dentes afiados durante sua negociação com os signatários (Rússia, China, França, Grã-Bretanha e Alemanha) do acordo nuclear em Viena, deixando poucas escolhas para os negociadores. O Irã mostrou como sua posição é complexa e inflexível com o conluio mais poderoso do mundo, proibindo o enviado norte-americano de se juntar aos mediadores na mesma sala porque Donald Trump revogou seu acordo de acordo nuclear de 2015. Além disso, o Irã usou as ações de sabotagem israelenses contra a instalação nuclear de Natanz como pretexto para atingir Israel, os EUA e todos os negociadores europeus que se colocaram ao lado dos americanos. Trouxe para a mesa de negociações de Viena a notícia de que começou a enriquecer o urânio até seu maior nível de pureza – 60% e enquanto suas centrífugas avançadas IR9 produzem 9 gramas por hora(embora o Irã vá baixar a produção para 5 gramas por hora nos próximos dias). 

Esta nova capacidade iraniana é embaraçosa para o primeiro-ministro israelense Benyamin Netanyahu, que pensava estar no controle da situação, mas que agora percebe que é o culpado pela surpreendente reação do Irã que melhorou muito sua posição de negociação. Os negociadores europeus não tiveram outra escolha senão se curvarem diante da resposta e da retaliação do Irã. Foi um golpe para Netanyahu, que havia se gabado da operação de sabotagem de Natanz e disse que ele, pessoalmente, “nunca permitiria que o Irã obtivesse capacidade nuclear”. A inteligência dos EUA estima erroneamente que o Irã precisa de nove meses para restaurar a produção de Natanz. Tanto os EUA quanto Israel acreditavam que o Irã está em uma posição fraca, exigindo nove meses de negociações, e que, portanto, não há pressa em levantar as sanções. O Irã levou nove horas para trocar a antiga centrífuga IR1 para uma centrífuga IR6 mais avançada que pode separar isótopos mais rapidamente do que a anterior, retomando a produção em um golpe maciço para os adversários do Irã.

O Primeiro Ministro Netanyahu acreditava que a falta de retaliação iraniana a seus mil ataques na Síria contra alvos que incluíam alguns armazéns e ativos iranianos significava que poderia repetir o mesmo cenário contra o Irã em seu teatro no Estreito de Hormuz e no Mar Vermelho.

Netanyahu foi uma vítima de sua própria bravata. Ele quebrou a tradição israelense de negar a responsabilidade por ataques de sabotagem realizados pela Mossad no exterior. O Irã surpreendeu Netanyahu e seu Chefe do Estado-Maior, Aviv Kohavi, quando um navio israelense foi atingido por um míssil lançado de um drone no Mar Vermelho que não fica longe da área de controle do Irã. A capacidade da inteligência iraniana demonstrou a eficácia de seu rigoroso monitoramento do navio de propriedade israelense navegando no Estreito de Hormuz e no Mar Vermelho. A marinha do Corpo de Guarda Revolucionário Iraniano (IRGC) demonstrou uma competente retaliação sob ordens.

Nos últimos dez anos, o primeiro-ministro israelense e seus conselheiros militares estavam certos ao estimar que a guerra na Síria era uma oportunidade de destruir a capacidade do exército sírio. O país foi ocupado por Takfiris (ISIS e al-Qaeda), a Turquia e os EUA estavam ocupando o norte, as sanções da União Européia e dos EUA foram impostas ao governo central, e a economia ficou crítica. Além disso, a Rússia queria evitar a todo custo outro front entre a Síria e Israel. Moscou ofereceu ao Presidente Bashar al-Assad quantidades ilimitadas de mísseis de interceptação e conseguiu garantir a aprovação de Assad para não entrar em guerra com Israel, pelo menos até que o país se recuperasse. O Presidente sírio rejeitou vários argumentos iranianos de que a dissuasão deve ser imposta – como a dissuasão estabelecida pelo Hezbollah no Líbano – através do bombardeio de alvos israelenses seletivos usando o estoque de mísseis de precisão iranianos da Síria para evitar mais violações israelenses.
No entanto, Netanyahu e sua equipe estavam errados ao esperar que o Irã se abstivesse de retaliar pelo assassinato, sabotagem e ataques israelenses contra navios iranianos. O Irã mudou sua estratégia de evitar conflitos quando derrubou o drone americano mais caro e bombardeou a maior base militar dos EUA no Iraque, Ayn al-Assad. As autoridades iranianas tinham decidido tomar conta do assunto e não pedir a seus aliados que lutassem em seu nome.

O fato de o Irã ter se tornado uma potência regional com influência significativa no Iêmen, Iraque, Síria, Líbano e Afeganistão, significa que o Irã pode mostrar a seus aliados espalhados 

Subscribe to get access

Read more of this content when you subscribe today.

pela área de influência que ousa lutar cara a cara contra o país mais poderoso do mundo e atingir destemidamente o principal aliado dos EUA no Oriente Médio, Israel.

O Irã aceitou o desafio israelense e aproveitou a oportunidade dada quando Israel reconheceu sua responsabilidade pelo ataque de sabotagem em Natanz e contra o navio iraniano no Mar Vermelho. O Irã conseguiu transformar a ameaça em uma oportunidade e impor suas condições aos negociadores em Viena. Netanyahu queimou seus dedos e agora percebe melhor que brincar com o Irã não é sem conseqüências. Fragilizou seriamente seus parceiros europeus e americanos nas negociações nucleares em Viena.

A delegação iraniana disse a seus interlocutores na mesa que não tem muito tempo a perder e que qualquer tentativa de contornar as negociações não será tolerada. Teerã mostrou sua capacidade de desenvolver o nível nuclear militar, fora de qualquer estratégia defensiva ou ofensiva.

O Irã não pediu uma garantia contra outra decisão no estilo Trump – que revogou o acordo nuclear – no futuro, porque sua capacidade nuclear é a garantia. Teerã não está pedindo uma garantia da China e da Rússia, que estão sob as sanções dos EUA. O Irã esgotou sua paciência em 2018 quando esperou um ano inteiro sem usar seu direito de se retirar gradualmente do JCPOA (Plano de Ação Conjunto Global). Então acreditou que a Europa poderia avançar e manter seus compromissos, mesmo que os EUA recuassem. Não foi o caso, e Teerã está agora ciente de que a Europa e os EUA têm os mesmos objetivos por trás de comportamentos diferentes. 

Hoje é sabido que o Irã está enriquecendo urânio até 60% e pode chegar a 90% em alguns meses. Isto não significa que o Irã esteja necessariamente produzindo armas nucleares, mas é suficiente para cruzar as linhas vermelhas do Ocidente. Se as sanções dos EUA não forem levantadas ou forem parcialmente levantadas, se o acordo for revogado ou se outras sanções forem impostas no futuro, o Irã voltará a cair em seu ciclo nuclear completo sem qualquer pré-aviso.

Os negociadores iranianos estão pedindo que todas as sanções sejam retiradas. Eles fornecerão uma lista de sanções a serem imediatamente eliminadas. O Líder da Revolução Sayyed Ali Khamenei instruiu seus negociadores que o Irã não está pronto para fazer qualquer gesto de boa vontade, nem está em condições de entender as disputas e lutas internas do Presidente dos EUA com aqueles que se opõem ao acordo nuclear. A bola está com os EUA, e Biden tem pouco tempo a perder. Desta vez, Netanyahu está lambendo suas feridas em vez de conduzir a questão.

Advertisements
Advertisements
Advertisements

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.