Pegar ou largar: Ou EUA saem de Al-Tanf, ou Hezbollah e Irã, com Síria, libertam o sul da Síria.

20186105510134636634113101342197

Blog do Alok

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Por Elijah J. Magnier

3/6/2018, Elijah J. Magnier Blog

Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu

Rússia e Damasco (e aliados) construíram um plano para que o Exército Árabe Sírio liberte o que resta do sul da Síria – Qunietra e Daraa. O acordo será discutido essa semana entre altas autoridades (vice-ministros) dos establishments de Rússia, EUA e Jordânia, com Damasco e Teerã a louvar os esforços e o talento dos russos para a negociação. O plano é bem claro: ou os EUA saem da passagem de fronteira em Tanf, ou não haverá acordo, e o Exército Árabe Sírio requererá o apoio de seus aliados para libertar o sul. A bola foi mandada para o campo dos EUA, e Washington que resolva. Ou decide ir à guerra ao lado de Israel contra as forças de Damasco no sul, ou retira suas forças de ocupação da passagem Tanf na fronteira sírio-iraquiana.

O Exército Árabe Sírio está reunindo forças para libertar o último bolsão ao sul da capital Damasco onde o ISIS (sob o rótulo de Jaish Khaled Bin al-Waleed) e outros jihadistas e aliados ocupam a parte do sul da Síria na fronteira Israel e Jordânia. Damasco e Amã querem que o Exército Árabe Sírio retome o controle das fronteiras e reabra a passagem de Naseeb para restaurar uma das principais fontes de renda dos dois países.

Paralelamente, Israel volta-se para a Rússia – não para os EUA – pedindo garantias de que o Irã e o Hezbollah não estabelecerão bases nas fronteiras; Israel quer evitar a situação na qual as fronteiras sírias possa ser usadas como plataforma para atacar Israel no futuro.

Rússia, Síria e Irã todos concordaram quanto ao próximo passo a ser dado para libertar o sul, de modo a satisfazer todas as partes. As demandas israelenses, de que só haja o Exército Árabe Sírio em suas fronteiras, não serão atendidas ‘gratuitamente’: o preço a ser pago é a passagem de fronteira em al-Tanf atualmente ocupadas por forças dos EUA.

Forças dos EUA também ocupam parte do nordeste da Síria e a principal passagem comercial de fronteira entre Iraque e Síria (al-Tanf). Na verdade, não há benefício direto para os EUA com manter forças na Síria – exceto apoiar Israel –, e o controle da passagem só serve: (i) ou para dar passagem a milhares de militantes que o Pentágono treina para atacar territórios sírios (sem qualquer serventia estratégica); ou (ii) para criar meios para conter o andamento da economia síria.

Por isso a Rússia e seus aliados esperam que Telavive pressione Washington para que retire suas forças da passagem de al-Tanf, em troca da “paz de espírito” nas fronteiras, para Israel.

Contudo, há aqui vários cenários possíveis:

  1. Israel aceita o trato e pede que EUA liberte a passagem de fronteira sírio-iraquiana. O Exército Árabe Sírio assumirá controle do sul, atacando jihadistas e aliados deles.
  1. Israel recusa: o Exército Árabe Sírio atacará os jihadistas e aliados deles. Se Israel reage e bombardeia as forças atacantes, Damasco e aliados já estabeleceram nova Regra de Engajamentoe retaliarão contra alvos nas colinas ocupadas do Golan e adiante. O risco de guerra entre Israel e Hezbollah-Irã é alto. O front interno em Israel estará pronto para guerra mais ampla?
  1. Israel e EUA sobem as demandas e exigem a retirada de todas as tropas iranianas da Síria: para a Rússia, é demanda impossível de atender. O Irã tem bases na Síria desde que o falecido presidente Hafez Assad permitiu que o Corpo de Guardas da Revolução Islâmica (CGRI) apoiasse a resistência libanesa contra a invasão por Israel em 1982. Além disso, a Síria pediu o apoio do Irã e aliados do Irã em 2013, mais de dois anos antes da chegada dos russos. E Teerã e Damasco – ambos membros do “Eixo da Resistência” (Síria, Irã, Hezbollah) – coordenam todas as ações e decisões relacionada à guerra na Síria: como conduzi-la e que resultado político buscar. Essa harmonia não é idêntica à que há entre Moscou e Damasco. Assim, a Rússia não está em posição de pedir ao governo sírio que imponha uma retirada dos iranianos, por um preço que o Exército Árabe Sírio pode impor, só ele, Israel concorde ou não.

Implica dizer que Israel tem espaço limitado para manobrar: partir para uma batalha de consequências imprevisíveis contra o “Eixo da Resistência” e forçar o presidente Bashar al-Assad a ação mais agressiva para realmente ferir Israel, saindo da posição defensiva, para uma posição ofensiva.

Em sua mais recente entrevista, Assad disse que sua única opção seria “melhorar a defesa aérea, é a única coisa que podemos fazer e estamos fazendo”. Para o “Eixo da Resistência” é pura atitude defensiva, que não corresponde necessariamente ao modo como Israel tem de ser enfrentado. Irã e aliados gostariam de mostrar a Israel atitude mais agressiva, levando a batalha ofensiva até muito além do ponto que Assad atualmente deseja. Nesse caso, só Israel ganha com ter só o Exército Árabe Sírio no Golan ocupado pelos israelenses e na linha de demarcação de 1974.

Há diferenças no modo como a Rússia está trabalhando o dossiê sírio com seus aliados próximos, atenta a não forçar ou agredir relacionamentos existentes. A Rússia gostaria de avançar na reconciliação política o mais rapidamente possível, pedir a Damasco que reescreva a Constituição e ver os EUA fora de Tanf, de modo que as forças de ocupação (EUA e Turquia) fiquem concentradas no norte.

Damasco não pedirá – hoje – que Irã e aliados do Irã retirem-se, a menos que já não haja qualquer perigo. O governo tem intenção de revisar (Moscou sempre fala de “reescrever”) a Constituição, buscando a retirada de todas as forças estrangeiras de ocupação.

Independente de se os israelenses ‘terão coragem’ de perguntar à Síria quais as forças que Israel poderia manter em território sírio e quais têm de sair, certo é que ambos – a Rússia e o “Eixo da Resistência” querem a libertação do sul, e podem sim pedir ao Irã e ao Hezbollah que se mantenham longe das fronteiras. O “Eixo” parece muito confortável com a ideia de deixar o sul da Síria, confiante de que as forças sírias locais estão hoje – depois de mais de sete anos de guerra –, muito bem equipadas com farta experiência de combate e ideologia firme para trilhar caminho idêntico ao do “eixo”, no que tenha a ver com a animosidade contra Israel. Mas a cabeça dos EUA em al-Tanf, numa bandeja, é a parte não negociável do preço.*******

Postado por Dario Alok às 18:47 

Enviar por e-mailBlogThis!Compartilhar no TwitterCompartilhar no FacebookCompartilhar com o Pinterest

Marcadores: Elijah J. Magnier, EUA, Geopolítica, Guerra da Síria, Hezbollah, Irã

If you read this reporting and you like it, please don’t feel embarrassed to contribute and help fund it for as little as 1 Euro. Your contribution, however small will help ensure its continuity. Thank you.

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.