A Lei de César síria e como ela afetará o Líbano: Israel será o alvo (3/3)

Por Elijah J. Magnier: @ejmalrai

Traduzido por: Alan Regis Dantas

A promulgação da “Lei de César” – as novas sanções dos EUA destinadas a “perseguir indivíduos, grupos, empresas e países que lidam com o governo de Damasco” – é aparentemente dirigida contra a Síria, mas, na realidade, visa subjugar o Líbano e sua população para atender às condições de Israel. O membro do “Eixo da Resistência” do Líbano, o Hezbollah, tem um conflito aberto com Israel.  O país tem uma lista de exigências imponentes: fechar o fluxo de armas através das fronteiras libanesas com a Síria, desarmar o Hezbollah, impor seus próprios termos nas fronteiras terrestres e marítimas e pressionar o Líbano a se juntar a outros países do Oriente Médio para assinar um acordo de paz – com Israel. Mas o Hezbollah naturalmente tem outros planos – impor uma nova Regra de Combate e tomar a iniciativa de ataque em vez de optar pela resposta de defesa. Isso é semelhante à política de dissuasão de Gaza do Hamas, outro membro do “Eixo da Resistência”, que tem atingido alvos em Israel se (e quando) sanções econômicas forem impostas.

Como Israel teme, a próxima guerra no Oriente Médio certamente terá múltiplas frentes unidas, envolvendo os membros do “Eixo da Resistência”, todos juntos simultaneamente. Não é surpreendente que os membros do “Eixo da Resistência” (incluindo Síria, Líbano, Gaza e Iraque) se sincronizem e ensaiem, trabalhando na coordenação intensiva de cenários de guerra por mais de um ano. Não se pode descartar que Israel, percebendo a reação do “Eixo da Resistência” às sanções iminentes, peça aos EUA que concordem em se retirar, para evitar uma guerra total. O “Eixo da Resistência” preparou vários cenários, todos em vias de implementação – e sem exceção – todos são muito dolorosos para Israel.

Advertisements
Advertisements

Advertisements

Subscribe to get access

Read more of this content when you subscribe today.

O “Eixo da Resistência” entende a motivação por trás da “Caesar Act” dos EUA e terá que responder primeiro a Israel, pois é ele que influencia as decisões dos EUA no Levante. Não faltam opções e algumas das respostas óbvias seriam a de mimetizar o Hamas e atingir Israel, como a seguir:

O primeiro cenário: O Líbano reivindica a devolução das fazendas Shebaa e das sete aldeias libanesas (Terbikha, Saliha, Malkiyah, Nabi Yusha, Kades, Hunin e Ibli Qamh) ocupadas por Israel. Portanto, qualquer ataque do Hezbollah contra as forças israelenses nessas aldeias, atravessando a cerca israelense ou bombardeando objetivos nessas aldeias libanesas, seria considerado um ato legítimo reconhecido pelo governo libanês.

Advertisements

Advertisements

Advertisements

Subscribe to get access

Read more of this content when you subscribe today.

Advertisements
Advertisements

Advertisements

A bola está no campo americano e há poucas dúvidas de que esta administração americana fará com que muitos políticos libaneses, cristãos e muçulmanos, estejam em sua lista de terroristas antes de outubro de 2020, para embaraçar qualquer futura administração e impedir que ela levante facilmente as sanções. É claro que, como os EUA não estão agindo de acordo com sua própria agenda e interesses nacionais, seu entendimento do que deve ou não ser feito é defeituoso, ou na melhor das hipóteses limitado.

A certa altura, quando a reação do Hezbollah se tornar óbvia, Israel poderá considerar “inspirar” Washington a cessar sua pressão sobre o Líbano, como fez com Gaza, a fim de evitar sofrer as conseqüências. 

Israel também pode pensar que a guerra é uma opção porque suas ações podem não ter sido bem pensadas! Israel matou líderes do Hezbollah, cientistas iranianos, comandantes do Hamas, comandantes iraquianos: e em conseqüência, o “Eixo da Resistência” ficou mais forte. Aprender com a História nunca foi um ponto forte, nem para Israel nem para os EUA.

Advertisements
Advertisements
Advertisements

Washington pode não querer pressionar o Hezbollah a reagir e terá de contar com seus aliados no Líbano. Portanto, através do Fundo Monetário Internacional, poderá fornecer ao Líbano um par de bilhões de dólares por ano para que a opção de guerra contra Israel e o fornecimento comercial e energético do Irã possam ser desconsiderados pelo governo libanês.

Todas as possibilidades estão na mesa. O reconhecimento e apoio do Golfo a Israel não faz diferença e não muda nada nas probabilidades de guerra, pois em cada guerra israelense contra o Hezbollah, os países do Golfo foram os primeiros a apoiar Israel e o seu apoio não fez pender o resultado a favor de Israel. Há poucas dúvidas de que os meses que se avizinham até o final de 2020 serão críticos para o Oriente Médio.

Aos meus leitores: Eu não posso mais dar acesso aberto aos meus artigos. A indústria jornalística foi esmagada pelo neoliberalismo e pelos bloqueios da COVID. Infelizmente, não tenho outra alternativa senão pedir apoio individual. Quando você assina, você está apoiando o jornalismo investigativo necessário para uma compreensão robusta do que está acontecendo no Oriente Médio. Obrigado a todos que podem contribuir.

Copyright © https://ejmagnier.com   2020 

[wpedon id=”2575″ align=”right”]
Advertisements
Advertisements
Advertisements

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.