Não haverá guerra israelense contra o Líbano antes das próximas eleições nos EUA

Por Elijah J. Magnier 

Não há dúvida de que, desde Ben Gurion, a ideologia sionista adere ao princípio de assediar e aproveitar as oportunidades para surpreender o inimigo, explorando a fragilidade do adversário e avaliando a posição do inimigo antes de atacar. Mas há muitos indícios de que Israel não pode conduzir uma guerra contra o Líbano, pelo menos não neste verão, ou provavelmente só depois que a fumaça branca revelar a identidade do residente na Casa Branca durante os próximos quatro anos.

Uma tempestade num bule de chá surgiu no Líbano quando Israel anunciou sua terceira rodada de ofertas offshore para exploração de petróleo e gás natural do “Bloco 72”, anteriormente conhecido como “Alon D”, localizado ao longo da fronteira com o Líbano no “Bloco 9”, em águas disputadas. O Presidente Michel Aoun disse que a decisão israelense é “um assunto muito perigoso” e que o Líbano “não permitirá a violação das águas territoriais reconhecidas internacionalmente”. O deputado libanês Qassem Hashem disse que a decisão se assemelha a “uma declaração de guerra”.

Entretanto, o anúncio israelense não constitui uma violação das fronteiras regionais das águas que o Líbano alega. A condenação libanesa é um lembrete para Israel de que o Líbano está em alerta e não permitirá qualquer violação de suas fronteiras marítimas. Durante a última década, os EUA enviaram vários enviados oficiais a Beirute para empurrar o Líbano para um diálogo indireto com Israel a fim de traçar fronteiras mutuamente reconhecidas, sem sucesso.

A animosidade geopolítica entre o Líbano e Israel havia congelado a exploração do “Bloco 72” por 6 anos. As duas empresas offshore, “Noble Energy” dos EUA e Delek Energy de Israel, que haviam ganho concessões de exploração de petróleo e gás assinadas em 2009, descobriram que sua licença terminou em 2016 sem ter podido realizar nenhuma exploração. A notícia do Ministro de Energia israelense Yuval Steinitz de reabrir a licitação causou um furor na mídia sem fundamentos por várias razões:

Advertisements
Advertisements
Advertisements

Subscribe to get access

Read more of this content when you subscribe today.

Advertisements
Advertisements
Advertisements

Finalmente, Israel não pode contar com o exército americano estacionado na Síria, Iraque e países vizinhos para se juntar a qualquer batalha contra o “Eixo da Resistência”. A possibilidade de uma guerra mais intensa expandindo o teatro de confrontos para o Líbano, Síria, Iraque e as bases dos EUA nos países do Golfo não pode ser descartada. Israel e os EUA não poderiam controlar tal expansão. A última coisa que o presidente Donald Trump gostaria de enfrentar hoje é o retorno dos soldados americanos em caixões porque se envolveu em uma guerra, não em benefício da segurança nacional americana, mas apenas para defender Israel e o conselheiro de Trump, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

O exército israelense deve estar pronto para um futuro confronto abrangente. Além disso, é também responsabilidade do Hezbollah manter suas forças especiais em um estado de prontidão constante para uma guerra, no pressuposto de que a guerra pode nunca acontecer ou pode acontecer amanhã. As duas partes se entendem e ambas mantêm a preparação no topo de sua agenda.

Portanto, a guerra só ocorreria se o “Eixo da Resistência” relaxasse e não atualizasse suas capacidades militares avançadas, renovasse seu banco de objetivos e monitorasse constantemente o movimento de seu inimigo. Tudo indica que a deterioração da situação econômica libanesa está longe de inspirar Israel a ir para a guerra. O Hezbollah – embora seja uma parte indivisa da sociedade libanesa – não é afetado militarmente pela crise. Nada pode desviar sua atenção de manter o dedo no gatilho para impedir a guerra.

Elijah J Magnier é correspondente de guerra veterano e analista de risco político sênior com mais de três décadas de experiência.

Copyright © https://ejmagnier.com   2020 

[wpedon id=”2575″ align=”right”]
Advertisements
Advertisements
Advertisements

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.