“Eu não fracassei”, disse Macron; mas por quê ele realmente fracassou – e não poderia ter tido êxito?

Elijah J. Magnier: @ejmalrai
Tradução Alan Regis Dantas


Não se espera que a iniciativa francesa que o Presidente Emmanuel Macron tomou em relação ao Líbano tenha sucesso, agora ou nas próximas semanas, a menos que novos elementos sejam introduzidos. O Presidente francês está longe de encontrar uma base sólida no Líbano ou de unir os libaneses e nem mesmo convenceu os europeus a aderir à sua iniciativa e injetar somas de dinheiro na economia libanesa em ruínas. Macron tem amigos no Líbano que não se importam em preservar um bom relacionamento com a França, desde que ela possa oferecer soluções para resolver esta intratável crise libanesa. Quanto a culpar os outros, não admitir seus erros e não perceber as armadilhas da política libanesa, isto é uma evidência de que o chefe do Eliseu ainda não está pronto para aprender as lições de seus erros anteriores e não possui outras soluções seguindo seu plano inicial, que simplesmente não era realista. Mas por que a França não terá sucesso em sua iniciativa no Líbano? As razões são inúmeras.

Sem dúvida, o Presidente Macron é mais conhecedor dos detalhes da política libanesa do que qualquer outro presidente ocidental. Entretanto, este conhecimento não é suficiente para prever com precisão as reações de políticos bem estabelecidos, seus medos e a falta de confiança entre eles.

Quando Macron mergulhou nos detalhes da situação financeira e como o Líbano atingiu o tamanho de sua dívida atual e suas causas (corrupção, roubo de fundos públicos e a falta de um plano de infra-estrutura cujo dinheiro foi parar nos bolsos dos políticos), como um ex-banqueiro, foi capaz de explicar mais de 30 anos de engenharia financeira que falharam devido à corrupção em menos de dois minutos. O Líbano não está em condições de reconstruir a confiança financeira internacional e doméstica quando sua produção desmente seus gastos e o investimento estrangeiro na infra-estrutura está acabando nos bolsos dos senhores da guerra locais.

Quanto a saber quando Macron encontrou uma possível solução política, ele pareceu pouco hábil e não se apegou a um roteiro robusto que teria tido chances de sucesso. Durante seu primeiro encontro com os políticos locais, ele pediu a participação deles no próximo governo. Depois voltou ao Líbano para solicitar um governo consensual. Em ambos os casos, ele não esclareceu que tipo de governo ele esperava ver e com o qual a comunidade internacional pudesse colaborar. Não até sua última coletiva de imprensa há alguns dias em que ele esclareceu alguns de seus desejos, apenas para confirmar sua confusão.

Macron deixou claro que o ex-Primeiro Ministro Saad Hariri cometeu um erro ao selecionar ministros com base na escolha confessional apenas para confirmar que Hariri, líder de um partido político, estava ditando seus desejos para o Primeiro Ministro designado Mustafa Adeeb. Como Macron pode pedir aos políticos libaneses – que discordam e desconfiam uns dos outros – que aceitem que o “clube dos ex-primeiros-ministros” leais à Arábia Saudita e aos EUA comande o primeiro-ministro Adeeb e sugira novos membros do gabinete? Este “clube” é formado pelos ex-primeiro-ministros Fouad Siniora, que é extremamente hostil aos cristãos majoritários liderados pelo ex-ministro das Relações Exteriores Gebran Bassil e pelo Hezbollah. Seu segundo membro é Najeeb Miqati, um sunita bilionário próximo à Arábia Saudita com um interesse substancial nos EUA. Seu terceiro membro é Saad Hariri, de nacionalidade saudita, e um inimigo declarado de Bassil, cuja família vive em Riade, que busca a bênção saudita mesmo que o príncipe herdeiro Mohammad Bin Salman o tenha rejeitado. Hariri tem 17 deputados no parlamento enquanto Bassil tem 20 e os grupos duo Shia (Amal e Hezbollah) têm 34 deputados.

O presidente Macron diz que os políticos têm que escolher entre “a política do pior”, o que significa uma guerra civil, como ele disse, ou a democracia. Macron não explicou como funcionaria o conceito de democracia neste caso, que, se aplicado, governa a maioria parlamentar e não o clube de ex-presidentes que representam a minoria dos deputados. Isto indica confusão na mensagem de Macron.

O presidente francês parece estar destruindo as pontes que criou com o Hezbollah durante suas duas visitas ao Líbano quando acusou a organização de ser responsável por obstruir a formação do governo que Macron aprovou (governo da Adeeb). O Presidente francês não disse em nenhum momento em suas sucessivas visitas ao Líbano que a minoria parlamentar representada pelo Clube dos ex-deputados deve administrar a nomeação e seleção do novo gabinete e desenhar o roteiro para o Primeiro Ministro demissionário, Mostafa Adeeb.

 
Tendo Macron formulado seu roteiro, sem dúvida teria enfrentado uma rejeição total por parte da maioria dos políticos. Em nenhum momento o presidente francês disse – como revelou o deputado Walid Jumblatt – que Macron queria um governo que não representasse os líderes políticos libaneses. Além disso, por que o PM Adeeb se recusaria a se encontrar com os líderes dos membros do parlamento e limitar sua consulta com o clube sunita de parlamentares? Além disso, apesar da nomeação do Adeeb, o líder cristão Samir Geagea (que representa 15 deputados) recusou-se a dar confiança ao candidato de Macron desde o início. Geagea é conhecido por ser totalmente a favor da Arábia Saudita e dos EUA.

A dupla Shia, Amal e Hezbollah, insistiu em nomear o Ministro da Fazenda. De fato, pela primeira vez, o Hezbollah insistiu mais do que o porta-voz Nabih Berri (chefe da Amal). Ele manteve uma posição firme sobre o direito constitucional de escolher o representante xiita no gabinete. O Ministro da Fazenda tem o poder de concordar e liberar o orçamento de qualquer projeto ou pagamento do gabinete a qualquer instituição oficial. A posição firme dos xiitas veio após a designação dos Estados Unidos para a dupla de aliados xiitas de dois ministros na lista de sanções e depois de serem ignorados pelo primeiro-ministro Adeeb, conforme sugerido a ele pelos assessores anti-Hezbollah, o  “clube sunita de ex-Primeiros Ministros”.

Além disso, a posição insistente da dupla xiita ao nomear o Ministro das Finanças salvou o Presidente Aoun e o partido da maioria cristã. Cada religião tem o direito de ser consultada sobre os nomes dos futuros membros do gabinete quando a seleção de todos os ministros é feita pelo Primeiro Minisstro sunita e pelos ex-primeiro-ministros sunitas. Vale mencionar que em cerca de três semanas, entre a designação e o dia da demissão do Primeiro Ministro, Adeeb nunca apresentou uma lista dos nomes de seus ministros ao Presidente para aprovação ou opinião.

Durante sua última coletiva de imprensa, o Presidente francês ofereceu uma segunda chance por mais 4-6 semanas. O período de seis semanas coincide com as eleições presidenciais 

Subscribe to get access

Read more of this content when you subscribe today.

Advertisements
Advertisements
Advertisements

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.