Trump perdoa agentes da Blackwater: “Por quê eles nos odeiam”?

Elijah J. Magnier

Trad: Alan Dantas

A primeira vez que vi contratados da Blackwater em ação foi uma manhã em 2005, na rua al-Mansour, na capital iraquiana Bagdá. No meio da ponte, os agentes fortemente armados saíram de um veículo, bloquearam a circulação apontando suas armas em todas as direções, incluindo a minha, e conduziram o que parecia ser uma pessoa VIP que estavam protegendo. Em seguida, eles saltaram para outro veículo com vidros escuros na direção oposta. Por um momento, todos na rua congelaram, devido à agressividade dos empreiteiros e seu comportamento ameaçador, esperando ver balas voando – ao ponto em que o motorista se abaixou e esqueceu de apertar o freio, permitindo que seu carro atingisse o que estava à frente. 

A presença dos empreiteiros de Blackwater era independente dos tomadores de decisões e do controle iraquiano, pois estavam diretamente ligados à administração norte-americana que administrava a Mesopotâmia desde 2003.

Não era raro ver um Humvee americano abrir fogo sobre um veículo civil devido à falta de respeito às regras de compromisso dos EUA que, na prática, eram impossíveis de serem cumpridas. De fato, o último Humvee de um comboio dos EUA transportaria um painel solicitando que todos os carros permanecessem 100 metros mais longe. Era quase impossível ler o painel a 100 metros de distância, o que, naturalmente, expunha os civis ao fogo mortal.

Encontrar um comboio dos EUA na estrada de Bagdá (norte ou sul) era outro desafio difícil. Os comboios dos EUA dirigem a uma velocidade média constante, mesmo em rodovias. Não era permitido ultrapassar o comboio. Os iraquianos encontraram uma solução arriscada ao dirigir no lado oposto da rodovia, correndo um enorme risco de colisão. O maior problema foi quando outro comboio estava vindo na direção oposta, contornando do outro lado da estrada o primeiro comboio. Neste momento, todos os motoristas congelam e colocam seus braços no ar por medo de serem alvejados.

Durante os primeiros sete anos da ocupação americana do Iraque, o risco de ser morto por engano era extremamente alto por inúmeras razões. Os empreiteiros de Blackwater fizeram isso em 2007, na praça Nisour, quando abriram fogo sobre pessoas na rua matando 17 civis e ferindo 24. Nunca houve qualquer responsabilidade contra os erros dos EUA ou massacres ou torturas no Iraque.

Na verdade, o massacre de Nisour cometido pela Blackwater de 2007 não foi nem mesmo o começo. Em 1996, o embaixador dos EUA na ONU Madeleine Albright respondeu à morte de meio milhão de crianças iraquianas causada pelas sanções dos EUA ao país dizendo “vale a pena”. A invasão de 2003 e a guerra do Iraque deixaram centenas de milhares de iraquianos mortos ou feridos. Em 2004, fotos da prisão administrada pelos EUA em Abu Ghraib, no Iraque confirmaram os “abusos sádicos e criminosos” aos prisioneiros iraquianos por parte dos EUA. 

Durante o mesmo ano da ocupação americana, Paul Bremer, o vice-rei americano do Iraque desmantelou o exército iraquiano, deixando 400.000 homens em casa sem meios financeiros ou direitos. Muitos deles foram diretamente para os braços da Al-Qaeda no Iraque (que se metamorfosearam no grupo terrorista “Estado Islâmico” ISIS, ISIL ou Daesh). Em 2009, os EUA fecharam o Camp Buca, centro de detenção norte-americano que havia se tornado uma universidade jihadi. Foi lá que os líderes terroristas recrutaram seus homens para lutar e aterrorizar o Iraque mais tarde, quando libertados pelos americanos. Em 2010, um vídeo classificado dos EUA mostrou um ataque de helicóptero Apache matando uma dúzia de civis iraquianos, incluindo dois funcionários de notícias da Reuters. 

Não houve responsabilidade por todas as baixas. Estas foram causadas desnecessariamente pela total falta de conhecimento da cultura iraquiana por parte da administração dos EUA ou mesmo um plano pós-ocupação adequado, uma ocupação justificada pela posse incorreta de Armas de Destruição em Massa.

Por que o Iraque se revoltaria contra o perdão concedido pelo Presidente dos EUA, Donald Trump, a quatro empreiteiros de Blackwater? Porque os iraquianos acreditam que suas vidas não são sem valor e que chegou a hora de prestar contas. Os iraquianos de hoje estão muito mais revoltados e menos interessados em se submeter ao poder dominante das forças dos EUA. Em 2001, o ex-presidente George W. Bush dirigiu-se à nação e disse: “Por que eles nos odeiam?”. Ele acreditava que era porque as pessoas no Oriente Médio odiavam a “democracia e a liberdade” dos EUA. Isto é exatamente o que os iraquianos procuram: responsabilidade sob a democracia e a liberdade. Liberdade para viver e liberdade para levar à justiça os criminosos responsáveis por massacres que cometeram e reconhecendo suas transgressões.

O parlamento iraquiano emitiu um decreto vinculante ordenando que as forças dos EUA deixassem o país após o assassinato ilegítimo do comandante iraquiano Hashd al-Shaabi Abu Mahdi al-Muhandes e do general brigadeiro iraniano Qassem Soleimani. O Iraque está dizendo “basta” ao abuso de poder dos EUA, à falta de respeito à soberania iraquiana e à completa falta de responsabilidade dos EUA. O que Donald Trump fez é inaceitável para os iraquianos e nunca poderá ser esquecido ou apagado de suas memórias. Não se espera que o Iraque receba o presidente eleito Joe Biden de maneira diferente de seu antecessor e está pronto para lutar para ver todas as forças dos EUA fora do país a qualquer custo. O Iraque diz que chegou o dia do ajuste de contas: é hora de os EUA pagarem a conta.

Advertisements
Advertisements
Advertisements

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.