Irã um ano depois: o que se conseguiu com o assassinato de Qassem Soleimani?

Elijah J. Magnier

Trad: Alan Dantas
Há um ano, o presidente americano Donald Trump assassinou o comandante da brigada Quds do Corpo da Guarda Revolucionária Iraniana (IRGC), o brigadeiro general Qassem Soleimani, coordenador entre o Irã e todos os seus aliados na Palestina, Líbano, Síria, Iraque, Iêmen e Afeganistão. O motivo aparente era consistente com a política dos EUA que, desde que Trump assumiu o poder tem procurado humilhar, enfraquecer e prejudicar o Irã através de sanções econômicas máximas. O Irã é considerado uma potência regional cujos líderes rejeitam a hegemonia dos EUA. Os americanos e os israelenses acreditavam que Soleimani era insubstituível e que o “Eixo da Resistência” que ele estava liderando seria seriamente prejudicado por seu assassinato. Muitos foram mais longe, descrevendo o assassinato como um golpe mortal para os objetivos estratégicos do Irã. Depois de um ano, será que os EUA realmente conseguiram atingir o Irã, prejudicar seus objetivos ou destruir suas metas? Se estes fossem seus objetivos, será que foram bem sucedidos?

Em 1º de janeiro de 2020, Sardar Soleimani visitou o Líbano onde passou várias horas com o Secretário-Geral do Hezbollah, Sayyed Hassan Nasrallah. O Líbano é uma parte essencial do “Eixo da Resistência”. Soleimani havia visitado o país e apoiado o Hezbollah desde 1998, quando foi nomeado comandante da Brigada IRGC-Quds. O Hezbollah libanês tornou-se o aliado mais forte do Irã, o melhor grupo armado e treinado do Oriente Médio: de fato, o exército mais poderoso do Oriente Médio. O Brigadeiro-General Soleimani manteve um perfil muito baixo durante décadas, mas foi responsável pelo fornecimento de todo o treinamento, finanças e apoio logístico aos aliados do Irã. O Hezbollah é considerado um dos resultados mais bem sucedidos da política iraniana desde 1982, quando o Imã Khomeini enviou pela primeira vez iranianos ao Vale Beqaa libanês, durante a invasão israelense do Líbano.

Soleimani viajou mais tarde naquele dia para a Síria (outro membro do “Eixo da Resistência”), onde passou a noite. Como em toda visita ao Levante onde centenas de conselheiros militares iranianos operam contra o ISIS e a Al-Qaeda, Soleimani convocou todos os comandantes de campo iranianos para uma reunião no início da manhã. A reunião durou excepcionalmente até o final da tarde, onde Soleimani distribuiu missões, discutiu táticas militares e ouviu os oficiais iranianos residentes. 

Poucas horas depois, Qassem Soleimani pegou um vôo do aeroporto de Damasco em direção a Bagdá, Iraque, onde pousou alguns minutos antes da meia-noite. Soleimani, um brigadeiro-general e quatro oficiais iranianos agindo como seus ajudantes-de-campo foram recebidos no aeroporto pelo comandante de campo iraquiano de Hashd al-Shaa’bi Abu Mahdi al-Muhandes, que os conduziram. Dois drones americanos MQ-9 Reaper dispararam então mísseis Hellfire guiados a laser a 230 mph, incinerando os corpos de Soleimani, al-Muhandes e todos os seus companheiros iranianos e iraquianos. Trump gabou-se de ter matado “dois pelo preço de um“. Ele supôs que Soleimani e Muhandes agora faziam parte da história e que a página estava virada. 

Longe disso. De um dia para o outro, as conseqüências do assassinato ilegal nos EUA fizeram muito mais do que o que o próprio Soleimani poderia ter conseguido quando estava vivo. O assassinato de 3 de janeiro injetou um novo espírito na “Revolução Islâmica” do Imã Khomeini. Várias gerações iranianas nunca haviam vivido a Revolução e subestimaram a doutrina do “Wilayat al-Faqih” (sistema político baseado na tutela), ao contrário da velha guarda. O assassinato uniu o povo iraniano sob a bandeira nacional: não era aceitável para milhões de iranianos ver seu general assassinado de forma tão covarde por um drone e nem sendo mesmo no campo de batalha.

Subscribe to get access

Read more of this content when you subscribe today.

Advertisements
Advertisements
Advertisements

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.