Israel ataca o Irã em todas as direções. Teerã responderá?

Elijah J. Magnier

Trad. Alan Dantas
Israel atacou doze petroleiros e navios iranianos, incluindo vários que transportavam petróleo para a Síria, danificando-os, embora não impedindo sua rota e entrega de sua carga na maioria dos casos. O que Israel está tentando fazer? E Teerã responderia? Em caso afirmativo, como?

Os serviços de segurança indianos acusaram o Irã de estar por trás da explosão sem vítimas perto da embaixada israelense em Nova Deli em janeiro passado. Uma “mensagem manuscrita” foi encontrada no local, reivindicando a responsabilidade pela explosão em resposta ao assassinato do Major General Qassem Soleimani e do cientista iraniano Mohsen Fakhrizadeh.

Israel também anunciou que havia enviado uma delegação de segurança a Dubai para examinar o navio israelense “Helios Ray” que teve várias perfurações em seu casco causados por uma mina marinha que estava magneticamente ligada a ele enquanto navegava de Dammam para Singapura em 26 de fevereiro. Israel acusou as forças iranianas de estarem por trás da explosão que não causou vítimas. Teerã negou qualquer responsabilidade pelo incidente.

Israel tem atacado repetidamente o Irã na Síria desde 2018, com mais de mil ataques reivindicados por Tel Aviv através de seus líderes militares e políticos. Além disso, na semana passada, Israel anunciou que, desde 2019, tinha como alvo pelo menos doze navios-tanque iranianos e um navio que transportava carga e navegava em águas mediterrâneas em direção à Síria. O Primeiro Ministro Benjamin Netanyahu disse que atacará o Irã em qualquer lugar.

Entretanto, os ataques de Israel em águas internacionais são perigosos porque o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu se colocou em um caminho que é difícil de sustentar. O Irã passou por guerras de petroleiros e apreendeu muitos navios como fez com um britânico em retaliação a Londres ao apreender um petroleiro iraniano no Estreito de Gibraltar. No início deste ano, o Irã parou um navio coreano navegando no Estreito de Hormuz sem declarar explicitamente que este ato estava diretamente relacionado aos US$ 9,5 bilhões que Seul confiscou devido às sanções dos EUA que impediram a devolução de fundos iranianos sem a aprovação de Washington.

Vários navios sauditas, noruegueses e emiradenses foram submetidos a operações de sabotagem no Estreito de Hormuz desde 2019. Além disso, os EUA decidiram preparar a transferência das operações do Comando Marítimo Central para incluir o porto de Yanbu e as bases de Tabuk e Taif porque o Estreito de Hormuz é considerado um teatro de operações hostis e perigosas, particularmente no caso de qualquer guerra futura com o Irã.

O Irã revelou deliberadamente seus mísseis navais avançados – fabricados por sua indústria – e bases de mísseis subterrâneos e outros implantados no Estreito de Hormuz. O país também mostrou drones realizando vigilância em navios de guerra americanos, bem como em navios de propriedade israelense. Este é o método que o Irã usa para impor a dissuasão e provar seu controle sobre o Golfo Pérsico 

Subscribe to get access

Read more of this content when you subscribe today.

para “prevenir” uma possível deflagração de guerra. Ao mostrar aos inimigos o que eles enfrentariam no campo de batalha, o Irã pretende evitar uma guerra potencial.

O Irã se abstém de responder aos ataques a seus cargueiros recentemente por Israel e nos últimos dois anos por diversas razões. O Irã queria evitar ser arrastado para uma batalha cujo timing foi imposto por Israel enquanto Donald Trump estava no poder. O Irã acreditava que o ex-presidente americano poderia estar esperando uma oportunidade para atacar a “República Islâmica” e teria apoiado Netanyahu com todas as forças militares americanas já presentes no Oriente Médio.

Entretanto, o Irã respondeu armando seus aliados com uma arma qualitativa que perturbou o equilíbrio de Israel e das forças norte-americanas estacionadas no Oriente Médio. De fato, o Corpo de Guarda Revolucionário Iraniano (IRGC) está cada vez mais armando e concedendo a seus aliados equipamentos mais sofisticadas que fabrica sem limites, desde que sirvam a esses aliados, levando em consideração o desafio que enfrentam e as capacidades do inimigo. O Irã também reage em outras arenas, como no Iêmen e no Iraque. Ainda assim, raramente responde de forma direta e reativa, exceto em alguns casos, como aconteceu com o assassinato do comandante Qassem Soleimani como no bombardeio das forças dos EUA em sua base iraquiana em Ain al-Assad, no ano passado.

Israel parece estar tentando empurrar o Irã para um confronto com o novo presidente dos EUA, Joe Biden, que fala em voltar ao acordo nuclear que israelenses e seus aliados não querem. E se o Irã responder diretamente, isso estragaria todas as possibilidades de um acordo entre EUA e Irã um dia. Conseqüentemente, Teerã não permitirá que Israel arraste o touro americano para o campo de batalha ao seu lado.

O Irã considera que os ataques a seus petroleiros no Mediterrâneo são o menor de seus problemas. O ataque israelense pode causar derramamentos de petróleo ameaçando o desastre ecológico para as costas israelenses. Suponha que o ataque ocorra além dos limites de água controlados por Israel. Nesse caso, o capitão iraniano é instruído a mover seu petroleiro de volta às águas territoriais opostas às águas controladas por Israel para reparar seus navios e preencher as lacunas resultantes das minas israelenses. Conseqüentemente, como a rota do navio é paralela às costas ocupadas da Palestina, as correntes marítimas são suficientes para criar uma catástrofe ambiental que Israel causaria para si mesmo. Tel Aviv compreendeu a mensagem iraniana e apelou para a cessação das hostilidades marítimas.

Os ataques israelenses não afetam mais as capacidades do “eixo de resistência” porque o Irã parou de enviar armas específicas e as substituiu por fábricas locais para aliados. O Irã transferiu os conhecimentos especializados e forneceu as matérias-primas necessárias para fabricar localmente os mísseis desejados (de precisão e outros). Consequentemente, persistir em violar as leis marítimas é muito arriscado para Israel, e jogar nesta arena aquática pode permitir que o Irã tenha suas contas acertadas. Os EUA não são mais considerados efetivamente no Oriente Médio; perdeu sua prestigiosa posição como parceiro confiável e tem a oposição do Irã e seus aliados, que estão mais bem preparados do que antes para ataques diretos ou mesmo exaustivos das forças dos EUA estacionadas no Oriente Médio.

Após o mais recente ataque da resistência iraquiana contra as bases militares de Balad e Ain al-Assad onde as forças dos EUA estão estacionadas, o Secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, respondeu utilizando a conhecida resposta há muito utilizada pelo “Eixo da Resistência”: “Nós atacaremos se for isso que achamos que precisamos fazer em um momento e local de nossa escolha”. Os EUA começaram a entender que estes ataques foram orquestrados para atraí-lo para um confronto mais extenso e exaustivo. Assim, o “Eixo da Resistência” está mais preparado para um conflito militar para expulsar os EUA da Ásia Ocidental. Esta posição determinada, como parece, será refletida em todos os aliados dos EUA, especialmente Israel, que tem uma conta aberta com o “Eixo da Resistência”, ansioso para reagir, mas espera pelo tempo e lugar apropriados para acertar estas contas.

Advertisements
Advertisements
Advertisements

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.