A palavra final na Palestina será de quem mais resistir

Trad. Alan Dantas
Os extraordinários confrontos entre os palestinos e Israel são provas de paradoxos que não serão resolvidos tão cedo. A abordagem israelense do que está acontecendo parece formal e enganosa. O Chefe de Gabinete israelense Aviv Kochavi disse: “O Hamas não avaliou corretamente a severidade de nossa resposta, pois a Faixa de Gaza está enfrentando uma enorme intensidade de ataque não foi testemunhada até hoje”. Tel Aviv revelou que havia bombardeado mais de 1.500 alvos e destruído dezenas de edifícios na cidade sitiada de Gaza. Entretanto, Israel nunca se deu conta de que os grupos de resistência palestinos haviam introduzido novos mísseis de longo alcance e aumentado significativamente o poder de fogo com um ritmo de mais de 150 mísseis disparados diariamente e simultaneamente. Os palestinos registraram mais de 100 edifícios atingidos em Israel, e Gaza introduziu uma nova equação através de bombardeios desde o primeiro dia Jerusalém e Tel Aviv. Esta é uma mudança fundamental nas regras de combate, de bombardeio gradual e de evitar o bombardeio de Tel Aviv, que o “Eixo da Resistência” está acostumado a observar. Pela primeira vez, foram lançados novos mísseis, sob o nome de “Al-Qasim” (com o nome do comandante iraniano Qassem Soleimani, responsável pelo fornecimento de armas aos palestinos) que tem uma ogiva de 400 kg e “Ayyash” (com o nome de “Yahya Ayyash”) com um alcance de 250 quilômetros.

Khaled Meshaal, representante do “Hamas” no exterior, não hesitou em dizer que “a resistência se beneficiou do Irã, seus mísseis e sua perícia, e as organizações em Gaza se beneficiaram do contrabando de armas e tecnologia militar”.

A Operação Israelense, “Guardiã dos Muros”, fracassou contra a “Espada de Jerusalém” palestina ao introduzir uma nova equação de dissuasão. Como em toda guerra, Israel conseguiu destruir instalações, terras agrícolas, edifícios civis, bancos, estradas públicas e edifícios da mídia local e estrangeira. Isto indica que a resistência palestina conseguiu reduzir o banco de objetivos israelenses que não tinha muitos objetivos de segurança, como costumava ser o caso em guerras passadas. O fracasso israelense em determinar a localização dos lançadores 

Subscribe to get access

Read more of this content when you subscribe today.

de foguetes e o paradeiro dos líderes militares significa que as instituições civis são o alvo israelense preferível.

Israel não mudou nada fundamentalmente em sua política destrutiva adotada nas últimas décadas contra Gaza ou o Líbano: mirar na infra-estrutura e nas áreas residenciais são os objetivos preferidos de Israel na esperança de virar a população contra a resistência local. Gaza introduziu um novo elemento ao aumentar a intensidade de seu poder de fogo contra diferentes cidades israelenses que nunca havia visado antes, começando do coração de Tel Aviv até a cidade de Eilat. Após cada batalha entre Israel e o “eixo de resistência”, cada lado examina o desempenho durante a luta para concluir lições adequadas para melhorar seu desempenho e preencher os buracos, em preparação para a próxima batalha. Ainda é cedo para concluir se é a intensidade dos foguetes lançados ou a qualidade dos mísseis será decisiva.

Como em toda guerra, os oficiais israelenses juram que trarão Gaza de volta à “Idade da Pedra”, destacando o poder de sua artilharia e, sobretudo, da força aérea fornecida pela indústria militar norte-americana. Israel, sem dúvida, não tem rival no Oriente Médio no que diz respeito à sua força militar. Entretanto, além da introdução de novos jatos F-35 nesta batalha, Israel infligiu perdas humanas e materiais significativas, como sempre fez em todas as guerras. Como não há responsabilidade internacional e como Israel repreende todas as leis internacionais, o apoio ilimitado dos EUA incentiva o Primeiro Ministro Benyamin Netanyahu a desconsiderar as Regras de Guerra, visando crianças (60 mortos até agora), mulheres (39 mortos) e muitos outros civis. Israel não conseguiu atingir seu objetivo de limitar o lançamento de foguetes e mísseis.

Além disso, a solidariedade palestina local em Gaza apoiou os grupos de resistência, para surpresa dos planejadores israelenses. Os palestinos vivem na cidade sitiada de Gaza com meios limitados e com falta de muitas necessidades básicas durante anos. Estes palestinos desenvolveram uma resiliência ao sofrimento semelhante ao ditado local: “Estou me afogando, mesmo com medo de me molhar”.

Israel afirma ter interceptado 90% do total de três mil foguetes e mísseis vindos de Gaza contra diferentes cidades israelenses. Isto significa que pelo menos algumas centenas de mísseis conseguiram escapar da rede de mísseis interceptores israelenses. Estes foguetes forçam milhares de israelenses a entrar em seus abrigos e impedem que a vida cotidiana continue como de costume, ao contrário do que aconteceu durante guerras anteriores em Gaza.

A resistência palestina conseguiu lançar cerca de 150 foguetes por dia, chegando perto de Haifa no norte, do aeroporto de Ramon no sul, e de diferentes assentamentos ao redor de Gaza como Ashkelon, Ashdod, Beersheba (Negev), Gush Dan (Tel Aviv) e Jerusalém. A inteligência israelense não conseguiu prever a capacidade dos palestinos de atacar diferentes cidades israelenses simultaneamente. O que também é significativo foi a revolta dos árabes de 1948 que possuem a nacionalidade israelense. Durante o bombardeio de Gaza, eles afirmaram a unidade da resistência na cidade sitiada. Parece que a era da Organização de Libertação da Palestina que assinou o Acordo de Oslo terminou e que a próxima geração quer recuperar todas as terras usurpadas: não mais aceitará uma carta branca israelense na Palestina.

A cidade sitiada de Gaza se tornou um “campo de concentração”, isolada do mar e da terra (apenas a passagem de Rafah está aberta, e de acordo com o temperamento egípcio) e não tem aeroporto. Consequentemente, todas as armas chegam à cidade através de seus túneis secretos. Entretanto, esta guerra – da qual não há dúvida de que será devastadora em Gaza – colocou em perigo a entidade israelense, com base na solidariedade do povo palestino manifestada pela primeira vez desde 1948.

Não foi em céu claro que Benjamin Netanyahu pediu aos residentes israelenses para “segurar firme”. A liderança israelense não se comprometeu com um tempo específico para terminar a guerra. Mais evidências foram manifestadas pela posição dos EUA nas Nações Unidas quando o embaixador dos EUA vetou um pedido de cessar-fogo no Conselho de Segurança. 
Consequentemente, a última palavra será dada ao lado que sobreviverá mais tempo, em uma guerra que continuará seu curso entre os beligerantes pelos próximos dias.

Advertisements
Advertisements
Advertisements

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.