Vencedores e perdedores no ataque turco contra os curdos na síria – Parte III

z_p17-russian

Por Elijah J. Magnier: @ejmalrai

Tradução: btpsilveira

https://ejmagnier.com/2019/10/17/winners-and-losers-in-the-turkish-attack-on-the-kurds-in-syria-part-3-of-3/

Na Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos emergiram como os vencedores e se tornaram mais fortes que qualquer outro país do mundo. Os aliados – principalmente a União Soviética – venceram a guerra mas saíram dela muito fracos. Precisavam reconstruir seus países e suas economias, com os EUA exigindo enorme pagamento retrospectivo pelo seu apoio. Os Estados Unidos se tornaram uma superpotência com capacidade de guerra nuclear e poder de impor seu domínio. Países industriais foram reconstruídos no que a Alemanha chamou de Wirtschaftswunder e a França de les Trentes Glorieuses, os trinta anos de prosperidade posteriores ao final da guerra. Enquanto isso, os Estados Unidos impulsionaram sua prosperidade para espalhar sua hegemonia mundo afora. O poder dos EUA foi reforçado com o início da Perestroika e depois da queda da União Soviética. No novo milênio, o establishment dos Estados Unidos declarou a “Guerra ao Terrorismo” como justificativa para ocupar o Afeganistão e o Iraque, enquanto ao mesmo tempo tentava subjugar o Hezbollah no Líbano, mudar o regime na Líbia e tentar a destruição da Síria, tudo com o objetivo de reestruturar e formar um “Novo Oriente Médio”.

No Levante, a falha dos Estados Unidos na tentativa de alcançar seus objetivos foi dramática, mas teve sucesso em acordar a Rússia de sua longa hibernação, para desafiar a hegemonia unilateral dos EUA no mundo e desenvolver novas formas de alianças. O Irã também desafiou gradativamente a hegemonia dos Estados Unidos desde a “Revolução Islâmica” de 1979. O país planejou paciente e meticulosamente a construção de uma cadeia de aliados, conectando várias partes do Oriente Médio. Agora 37 anos depois, o Irã pode se gabar de um cordão de aliados fortes na Palestina, no Líbano, na Síria, no Iraque, no Iêmen e Afeganistão – que estão prontos, se necessário, para pegar em armas e defender o Irã. Na realidade, o país se beneficiou muito dos erros dos Estados Unidos. Pela sua falta de compreensão de líderes e populações pelo mundo, Os EUA falharam universalmente em ganhar “coração e mentes” em cada um e todos os países do Oriente Médio onde tentaram se impor como aliado potencial.

A entronização de Trump nos Estados Unidos ajudou os aliados e também os inimigos dos EUA a descobrir, juntos, os limites e o alcance das sanções que os Estados Unidos gostam de impor. A liderança foi de pronto assumida por Rússia e China, ao oferecer um modelo novo e mais suave de aliança, a qual aparentemente não tem o objetivo de impor outro tipo de hegemonia. A oferta de aliança econômica e parceria é especialmente atrativa para aqueles que já tiveram a infelicidade de testar o modelo hegemônico (norte)americano e querem se libertar através de uma alternativa mais equilibrada.

No governo Trump, o Oriente Médio tornou-se um enorme armazém cheio de armas de várias fontes. Cada país em particular (e alguns atores não estatais) está armado com drones – e alguns têm até mísseis de cruzeiros e de precisão. Ocorre que superioridade de armamentos não conta muito, e o equilíbrio de armamento não é suficiente para medir o peso militar de um lado ou de outro. Até o país mais pobre do Oriente Médio, o Iêmen, pode causar dano significativo ao mais rico, a Arábia Saudita, um país pesadamente armado com o mais moderno equipamento militar dos Estados Unidos no Oriente Médio.

Com certeza o presidente dos EUA foi informado do fracasso evidente da tentativa de derrubar o regime na Síria e também da impossibilidade de desalojar o Irã do Levante. Provavelmente, ele quer evitar perda desnecessária de vidas, daí sua decisão de abandonar o país que suas forças ocuparam nos últimos anos. Mesmo assim, sua súbita retirada, mesmo que parcial (porque ele afirma que uma pequena unidade permanecerá nas imediações de Al-Tanf, mesmo que sem benefício estratégico, dado que o posto de fronteira em al-Qaem está novamente operacional) – veio como um choque para seus aliados israelenses e curdos. Trump mostrou sua capacidade de abandonar mesmo amigos/inimigos mais próximos do dia para a noite.

Damasco usufruiu de uma vitória inesperada com o movimento de Trump. Agora, o governo sírio está recuperando aos poucos sua fonte mais importante de comida, agricultura e energia. O nordeste da Síria representa um quarto da geografia do país. As províncias nortistas são excepcionalmente ricas em água, represas hidroelétricas, petróleo, gás e alimentos. Tudo isso foi devolvido pelo presidente Trump a Assad. Aliás, isso também beneficia Trump em sua campanha para a reeleição.

Assad tem confiança na capacidade da Rússia de parar o avanço turco e reduzir suas consequências, talvez colocando os curdos a uma distância de 30 km das fronteiras turcas para aplacar a ansiedade do presidente Erdogan. Isso pode também ser encaixado no acordo de Adana, de 1998, entre Turquia e Síria (5 km em vez de 30 km para a fixação de uma zona de segurança), o que providenciaria tranquilidade a todas as partes envolvidas. A Turquia quer estar segura de que o YPG curdo, sucursal do PKK turco, será desarmado e contido. Nada tão difícil para a Rússia fazer, particularmente tendo em mente que o objetivo mais difícil, a retirada das tropas dos Estados Unidos, foi oferecido graciosamente.

O presidente Assad terá prazer em cortar a cauda dos curdos. Os turcos ofereceram Afrin para os turcos a fim de impedir que as forças governamentais sírias a controlassem. Os curdos, em troca do Estado de seus sonhos (Rojava), apoiou a ocupação dos Estados Unidos e apoiou também o principal inimigo sírio, Israel. O primeiro ministro Benyamin Netanyahu bombardeou centenas de alvos na Síria, preferindo que o país fosse dominado pelo Estado Islâmico (ISIS) e pressionando Trump a oferecer de bandeja para Israel as Colinas do Golã como presente – mesmo que os Estados Unidos não tenham autoridade sobre o território sírio.

Morreram centenas de milhares de sírios, milhões de refugiados foram expulsos de suas casas e centenas de bilhões de dólares foram gastos para destruir a Síria. Mesmo assim, o presidente Assad e a Síria prevaleceram. Sejam quais forem os resultados da guerra, países árabes e do Golfo Pérsico querem retornar ao país e participar de sua reconstrução. Seja quem for que governar a Síria, a tentativa de destruir o Estado e mudar o atual regime, falhou completamente.

Entre os atores no palco, em seus múltiplos fronts, a Rússia é o mais bem sucedido. Hoje está em uma posição que o presidente Putin sequer sonharia antes de 2015. Numerosos analistas e Think Tanks previram que Moscou afundaria no pântano sírio, e zombaram de seu arsenal. Todos estavam errados. A Rússia aprendeu bem a lição recebida na invasão do Afeganistão em 1979. Ofereceu cobertura aérea e de mísseis e cooperou brilhantemente com o Irã e seus aliados como  forças que atuariam no terreno.

O presidente russo trabalhou com brilhantismo na guerra da Síria, encontrando uma posição de equilíbrio e forjando bons laços com a Turquia, um aliado da OTAN – mesmo depois da derrubada pelos turcos de um avião russo em 2015. A Rússia tentou colaborar com os Estados Unidos, mas teve pela frente a oposição de uma fobia “soviética/vermelha” da administração (norte)americana. Moscou teve que trabalhar sem Washington para resolver a guerra na Síria e derrotar os jihadistas que afluíram do mundo inteiro para o interior do país com o apoio do ocidente (via Turquia e Jordânia). A Rússia exibiu seu novo arsenal e conseguiu vender grandes lotes de armas. Treinou sua força aérea em combate real, lutou lado a lado com os exércitos da Síria, do Irã e de um agente não estatal (Hezbollah). Bateu o ISIS e a al-Qaeda 40 anos depois de sua derrota no Afeganistão. Putin colocou-se como um parceiro e aliado confiável, ao contrário de Trump – que abandonou os curdos e chantageia até seu aliado mais próximo (Arábia Saudita).

A Rússia conseguiu impor o processo de paz de Astana em substituição ao de Genebra, ofereceu comércio em moedas locais em vez do dólar aos países e está abordando com pragmatismo as relações entre Irã e Arábia Saudita e entre Assad e Erdogan. Os (norte)americanos, por sua temeridade negligente, se mostraram incapazes de diplomacia.

Moscou fez a mediação entre os sírios curdos e o governo central em Damasco mesmo quando aqueles eram controlados pelos Estados Unidos por anos. Putin se comportou de maneira inteligente com Israel mesmo quando acusou Tel Aviv de provocar a morte de seus oficiais, e manteve-se em relativamente neutro no conflito entre Irã e Israel.

Por outro lado, Tel Aviv jamais pensou que a Síria poderia ser reunificada. Hoje Damasco tem drones armados, mísseis de cruzeiro e de precisão, mísseis supersônicos russos anti navios – e sobreviveu depois de todos esses anos de Guerra e destruição de sua infraestrutura.

Israel não tem mais a perspectiva de um aliado no Estado Curdo (Rojava). Seu sonho foi adiado por décadas e com ele a divisão de Síria e Iraque. O “Acordo do Século” agora não faz qualquer senso e o acordo de não agressão com países árabes virou miragem. Tudo o que o principal conselheiro de Trump, o primeiro ministro Netanyahu, queria, perdeu sentido, e agora, Israel tem que lidar com a presença russa no Oriente Médio e arrostar as consequências da vitória conquistada por Assad, russos e iranianos.

Depois dos curdos, Israel é o segundo maior perdedor – mesmo que não tenha sofrido danos econômicos e que nenhuma vida israelense tenha sido perdida em combate. No cenário das eleições israelenses, as ambições de Netanyahu agora são imprestáveis. Israel agora tem que se preparar para viver lado a lado com Assad, que com certeza quererá as Colinas do Golã de volta – uma prioridade para Damasco uma vez que comece a enfrentar a tarefa de reconstrução do país. Ele vem preparando a resistência local há anos, para o dia em que a Síria finalmente recuperará todo o seu território.

Postado por btpsilveira às 10:14

Enviar por e-mailBlogThis!Compartilhar no TwitterCompartilhar no FacebookCompartilhar com o Pinterest

Marcadores: Assad, btpsilveira, Curdos, Elijah J Magnier, Erdogan, EUA, Hezbollah, Irã, Putin, Rússia, Síria, Trump, turcos, Turquia

This article is translated for free to many languages by volunteers so readers can enjoy the content. It shall not be masked by Paywall. I’d like to thank my followers and readers for the confidence and support. If you like it, please don’t feel embarrassed to contribute and help fund it for as little as 1 Euro. Your contribution, however small, will help ensure its continuity. Thank you.

Copyright ©  https://ejmagnier.com, 2019

Advertisements

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.