Recompensas dos EUA por cabeças dos líderes do Hezbollah: como afetam a organização?

Por Elijah J. Magnier: @ejmalrai

Traduzido por: Alan Regis Dantas

O governo dos EUA oferece recompensas financeiras para aqueles que ajudem a prender um líder do Hezbollah ou que revelem detalhes de suas atividades que os levem a interrompê-las. Essas recompensas variam de cinco a dez milhões de dólares. Até agora, ninguém conseguiu obter um único dólar desses prêmios da administração dos EUA desde 1985, quando o Hezbollah entrou oficialmente em atividade no Líbano. Como a organização e seus líderes são afetados por esses tentadores milhões oferecidos por Washington?

Não há dúvida de que o “eixo de resistência” no Líbano está operando fora do sistema americano. O Hezbollah não possui propriedades fora do Líbano e nenhuma conta bancária em nenhum banco local dentro ou fora do país, principalmente em países ocidentais. Os membros da família e os filhos dos líderes do Hezbollah não estão presentes nos países ocidentais, portanto estão fora da órbita de chantagem dos EUA. Portanto, a decisão de colocar os líderes do Hezbollah na lista de terrorismo dos EUA e confiscar seus fundos inexistentes não passa de uma exibição ostensiva pela qual os EUA pretendem se auto-anunciar como policiais do mundo.

Washington acredita que anunciar os nomes dos líderes do Hezbollah poderia dar um impulso aos aliados americanos no Líbano. Os aliados dos EUA naquele país são muito frágeis – embora persistentes e com alguma influência – para enfrentar o Hezbollah em primeiro lugar. O mais importante é que as sanções dos EUA não podem ser eficazes em um país como o Líbano – ou em outros países sob o guarda-chuva “Eixo da Resistência” – um estado soberano fora do controle direto dos EUA.

Isso nos leva ao Iraque, uma fortaleza do “Eixo da Resistência”, durante a campanha parlamentar de 2018. Antes das eleições, o embaixador dos EUA contra o “ISIS”,  Brett McGurk, visitou o ministro da Segurança Nacional Faleh Al-Fayyad em seu escritório em Bagdá. McGurk reclamou que Fayyad havia se encontrado com o xeque Muhammad Kawtharani, um oficial do Hezbollah que consta na lista de terrorismo dos EUA. Al-Fayyad respondeu: “Não é permitido interferir nos assuntos internos do Iraque, nem no que um cidadão iraquiano faz. O xeque Kawtharani é um cidadão iraquiano, e os EUA não têm autoridade ou jurisdição sobre nós para ditar quem podemos ou não receber.”


Fontes do “Eixo da Resistência” confirmam que “o xeque Muhammad Kawtharani nunca foi um líder militar, mas fazia parte do gabinete político. Em virtude de seus estudos e da presença de seu pai, estudioso e jurista, em Najaf por muitos anos, o xeque Mohammed nasceu e foi criado na cidade sagrada, casou-se com uma iraquiana de Bagdá, dominou o idioma e a mentalidade iraquiana, o que o tornou muito bem-sucedido na administração do processo iraquiano e na comunicação com os líderes daquele país. Ele passou algum tempo nas prisões de Saddam Hussein e foi companheiro íntimo de Sayyed Abbas Al-Mousawi, secretário-geral do Hezbollah assassinado por Israel em 1992. Conseguiu estabelecer relações estreitas com os líderes iraquianos durante sua presença no Líbano no exílio como refugiado nos dias de Autoridade de Saddam Hussein. É o oficial do Hezbollah que conhece melhor o Iraque, desde o Marjaiya em Najaf até todos os membros políticos de Erbil a Basra”.

“O xeque Kawtharani não tem inimigos entre os líderes iraquianos porque sua maneira de lidar com eles nunca é condescendente; ele não impõe sua agenda ou condições. Antes, seu objetivo é unir grupos iraquianos em decisões mutuamente acordadas e ouvir suas queixas quando se torna difícil se comunicar. Ele é coordenador e mediador, uma das funções mais difíceis de cumprir – especialmente entre os partidos xiitas iraquianos “, disse a fonte.

“A America sabe que o xeque Kawtharani não trabalha no aparato militar de segurança do Hezbollah, mas é o assistente do secretário-geral Sayyed Hassan Nasrallah para assuntos do Iraque. Sayyed Nasrallah é o líder do ‘eixo de resistência’ e goza de excelentes relações com palestinos, sírios, iraquianos, iemenitas e vários líderes em diferentes países. Portanto, os EUA queriam impedir seu retorno ao Iraque para evitar a solidariedade xiita iraquiana, principalmente após seu sucesso na reunificação de iraquianos depois do assassinato do major-general iraniano Qassem Soleimani”, de acordo com a fonte.

Os partidos xiitas não ficaram satisfeitos com a escolha do presidente Barham Saleh de Adnan al-Zurfi como primeiro ministro. O Iraque enfrentava sérios distúrbios domésticos entre xiitas, sunitas e curdos. Ao selecionar Mustafa Kazemi, a tensão foi dissipada com a ajuda do xeque Kawtharani e da liderança iraniana que mediaram para ajudar os iraquianos a encontrar o candidato mais adequado para todos.

A fonte afirma que “o xeque Kawtharani tem melhores relações com a maioria dos políticos iraquianos do que qualquer líder ou personalidade iraquiana ou não-iraquiana. Foi isso que lhe permitiu trabalhar para apoiar o Iraque; as recompensas financeiras dos Estados Unidos de US $ 10 milhões não o impedirão de viajar ao Iraque quando ele assim desejar.”

Quanto às recompensas financeiras americanas, de um modo geral, cria um resultado positivo para todos os oficiais do Hezbollah: quanto mais altos os valores oferecidos pelos EUA na cabeça, mais prestígio se acumula. Isso eleva os líderes procurados a um estado social privilegiado no Líbano, Síria, Iraque, Irã, Iêmen e Palestina, porque as ameaças de punições americanas são entendidas como indicativas de medo, prova do poder de um líder do Hezbollah de irritar o governo dos EUA.

Quanto maior a quantia, mais importante é o procurado líder do Hezbollah para outras autoridades, mesmo que essas recompensas não tenham prejudicado o Hezbollah nos 35 anos de sua existência. A compensação financeira do líder procurado aumenta e são alocados orçamentos, guardas e membros de segurança adicionais para protegê-lo. Vários carros estão à sua disposição para serem usados, e mais de um apartamento é oferecido para sua conveniência e segurança. A precaução ao selecionar um apartamento inclui a presença de um elevador elétrico que alcança o subsolo para cobrir sua chegada, partida e movimentação interna e externa.

As recompensas dos EUA incitam ciúmes entre as autoridades do Hezbollah, que ainda não alcançaram a distinção de receber uma recompensa dos EUA. Aqueles com uma recompensa mais baixa desejam que os EUA possam oferecer mais milhões para ganharem uma posição mais elevada na sociedade. Os oficiais da lista de recompensas por terroristas dos EUA obtém maior peso e ganham poderes adicionais. Sua credibilidade e influência aumentam com líderes políticos e aliados estrangeiros durante seus contatos ou reuniões, para que os aliados se gabem dos contatos e fotos tirados ao lado deles.

Há muito tempo, os EUA colocaram Imad Mughniyeh em sua lista e oferecem recompensa por sua cabeça. Ele então alcançou o nível de comandante militar em chefe do Hezbollah e vice-secretário-geral adjunto do Conselho da Jihad. Este é apenas um exemplo de promoção graças à oposição dos EUA.

Se os EUA decidirem atacar líderes colocados em sua lista de recompensas por terroristas, a resposta do Hezbollah se tornará mais significativa porque eles se tornam parte de uma nova equação de dissuasão. Assim, o que as autoridades americanas imaginam como punição severa aos líderes do Hezbollah,  na verdade os recompensa muito diretamente dentro da sociedade do grupo.

http://www.dossiersul.com.br/recompensas-dos-eua-por-cabecas-dos-lideres-do-hezbollah-como-afetam-a-organizacao

Este artigo foi traduzido gratuitamente para vários idiomas por voluntários, para que os leitores possam aproveitar o conteúdo. Não deve ser mascarado pelo Paywall. Gostaria de agradecer aos meus seguidores e leitores por sua confiança e apoio. Se você gostou, não tenha vergonha de contribuir e ajudar a financiar, por apenas 1 euro. Sua contribuição, por menor que seja, ajudará a garantir sua continuidade. Obrigado.

Elijah J Magnier é correspondente de guerra veterano e analista de risco político sênior com mais de três décadas de experiência.  

Copyright © https://ejmagnier.com   2020 

[wpedon id=”2575″ align=”right”]

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.