Os obstáculos ao sucesso da França no Líbano: Arábia Saudita e EUA

By Elijah J. Magnier: @ejmalrai

Tradução: Alan Regis Dantas

Um funcionário do antiterrorismo dos EUA alegou que o Hezbollah “está estocando nitrato de amônio na França, Itália, Grécia, Espanha e Suíça”. O Ministério das Relações Exteriores francês respondeu que estas alegações eram falsas. Consequentemente,  foi um golpe direto à administração americana, que está trabalhando em Bruxelas para colocar o Hezbollah com suas facções militares e políticas na lista de terroristas da UE. A França goza de influência suficiente dentro dos corredores da União Européia e do Parlamento Europeu para se impor como um impedimento aos planos americanos. Para a França, não é uma questão de amor ou apoio ao Hezbollah, mas sua crença de que não chegou a hora de declarar guerra à organização. A França acredita que precisa de um relacionamento com o Hezbollah se quiser avançar seus interesses estratégicos no Líbano. A hostilidade ao Hezbollah significa entrar em guerra com o grupo ou se afastar da aquisição de uma base de apoio no Líbano. Paris está tentando aumentar suas chances, por exemplo, evitando a renúncia de seu candidato, o Primeiro Ministro Mustafa Adib. Mas a França não tem todas as cartas e certamente não tem todos os ases.

É do conhecimento geral que o Primeiro Ministro Mustafa Adib não tem nenhuma experiência na navegação da política interna libanesa e suas complicações e ramificações que se estendem à Arábia Saudita, aos EUA e à França. Estes são os países mais envolvidos no Líbano, enquanto a Turquia e a Rússia desempenham papéis menores.

A nomeação de Adib foi organizada quando o ex-Primeiro Ministro Saad Hariri perdeu qualquer esperança de ser nomeado para este cargo devido a sua rejeição por parte da Arábia Saudita. O ex-Primeiro Ministro libanês Hariri possui tanto nacionalidade saudita quanto francesa. Durante seu mandato, Hariri entendeu que o Hezbollah fazia parte da sociedade libanesa e representava mais de um terço da população, sem contar com seus aliados. O Hezbollah e seus aliados detêm, há alguns anos, a maioria no Parlamento, tornando impossível para Hariri ignorá-los e marginalizá-los do governo como os sauditas e os americanos queriam. Durante seu último mandato, o relacionamento de Hariri com o Hezbollah desencadeou a cólera da Arábia Saudita que reagiu fechando as portas de Riade ao primeiro-ministro libanês e fragilizando sua popularidade. Em conseqüência, ele dividiu o campo sunita entre muitos sub-líderes. Quando a Arábia Saudita aprisionou e sequestrou Hariri, o Hezbollah foi o primeiro a insistir em sua libertação, e o presidente francês conseguiu obter a liberdade do primeiro-ministro que havia ganho a ira do príncipe herdeiro Mohammad Bin Salman.

Hariri, consciente do antagonismo dos sauditas contra ele, pediu à França que interviesse a seu favor para ajudá-lo a conseguir o pasto de primeiro-ministro. Quando o presidente francês Emmanuel Macron não conseguiu suavizar a postura americano-saudista em relação a Hariri, o ex-primeiro-ministro decidiu pressionar para a escolha de Mustafa Adib, uma personalidade maleável. Através do Adib, Hariri impôs condições impossíveis ao Hezbollah, para as quais ele já conhecia a resposta. Hariri tem apenas 20 deputados, enquanto o movimento Amal (liderado pelo Presidente do Congresso Nabih Berri), Hezbollah, Tayyar al-watni al Hurr (o Movimento Patriótico Livre – FPM) e seus aliados, têm mais de 65 deputados. Consequentemente, a imposição de uma agenda saudita à maioria parlamentar dos Estados Unidos, cujos elementos-chave são as sanções da administração norte-americana, numa tentativa de frustrar a iniciativa francesa, certamente não formará um novo governo.Hariri está tentando recuperar o apoio dos EUA sauditas desafiando o Presidente do Parlamento Nabih Berri e o Hezbollah através de Adib, esperando que o recém-nomeado Primeiro Ministro caia e que o cargo retorne à ele. Do ponto de vista de Hariri e dos interesses políticos, ele não tem outra solução senão endurecer sua posição contra o Hezbollah. O bloco parlamentar de Hariri não será eleito pelos cristãos, druzos ou xiitas, mas sim pela comunidade sunita. Portanto, a indignação da Arábia Saudita em relação a ele não o beneficia politicamente. É por isso que ele está adotando uma abordagem mais agressiva em relação ao Hezbollah e ao porta-voz Berri.

Assim, Berri e o Hezbollah concordaram em defender seus interesses, o que estipula que quem tiver 43 deputados (30 Amal e 13 Hezbollah) e gozar da maioria no parlamento tem o direito de impor quem quiser dentro do gabinete ou se abster de conceder confiança ao novo Primeiro Ministro quando ele recusar suas exigências. Democraticamente falando, a maioria do parlamento tem o direito de escolher o primeiro-ministro. Assim, Hariri, dono da minoria, não tem o direito constitucional de impedir Berri e Hezbollah de nomear o ministro das finanças como eles estão pedindo. Isto é o que Hariri está tentando fazer, pressionar o Primeiro Ministro Adib a renunciar e promover o fracasso da iniciativa francesa a partir dos bastidores.

Subscribe to get access

Read more of this content when you subscribe today.

Advertisements
Advertisements
Advertisements

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.