Irã desafia Trump e não dá escolhas a Biden: ou um iminente acordo ou nada

Elijah J. Magnier

Trad.; Alan Dantas
Nas duas semanas restantes com o Presidente Donald Trump no poder, o Irã está enviando fortes mensagens aos EUA e, em particular, tanto ao atual como ao Presidente eleito Joe Biden, lançando um exercício de dois dias envolvendo drones produzidos domesticamente na província central de Semman, e incrementando o urânio enriquecido para 20 por cento. A primeira mensagem é dirigida às sanções de “pressão máxima” de Trump e suas ordens de enviar dois bombardeiros B-52S, o submarino USS Georgia e o porta-aviões Nimitz para o Golfo Pérsico. O Irã desafiou Trump, contando com o fato de que ele não vai mais lançar uma guerra em suas últimas semanas de mandato e demonstrando que, de qualquer forma, Teerã não tem medo e está determinada a enfrentar qualquer que seja o resultado. 

A segunda mensagem a Biden é um ultimato para sua nova administração respeitar o acordo nuclear (assinado em 2015 e rejeitado por Trump em 2018) como está. O retorno do Irã a 20% de urânio favorece Biden se ele for sincero no retorno ao acordo nuclear e ajudar a dominar todas as vozes que contestam o respeito ao JCPOA. Caso contrário, o Irã continuará seu enriquecimento e sua capacidade nuclear com determinação. Isto está longe de ser um souk de troca ou venda de tapetes, onde a negociação seria possível. O Irã está estabelecendo as regras com apenas duas opções para Biden: aceitar o acordo nuclear como foi assinado em 2015, ou deixá-lo.

O exército iraniano (forças terrestres, Marinha e Força Aérea) terminou dois dias de exercícios onde centenas de drones viajaram mais de 2.000 km e atingiram alvos usando mísseis ar-terra e ar-ar, incluindo o uso de drones kamikaze e a destruição de fortificações terrestres e alvos navais.  Os exercícios indicaram o quanto o Irã conseguiu desenvolver sua capacidade de dissuasão (enquanto sob pesadas sanções) e como planeja enfrentar qualquer guerra travada contra ele pelo presidente americano Donald Trump antes de sua partida ou por qualquer outro inimigo do Irã.

As sanções mais duras do Trump foram, e ainda são, muito dolorosas para a economia e o crescimento da “República Islâmica”. Entretanto, a administração americana não conseguiu impor qualquer dissuasão efetiva ao Irã: seus líderes mostraram uma total ausência de flexibilidade e recusaram-se a negociar com Trump ou mesmo a responder a suas oito tentativas de contatar seu homólogo iraniano, Sheikh Hassan Rouhani.

Para explicar ao Ocidente sua determinação e evitar qualquer modificação ou renegociação, em novembro do ano passado, o parlamento iraniano apresentou um projeto de lei com vários artigos desenhando um roteiro para a nova administração dos EUA. O primeiro artigo do projeto de lei é sobre obrigar o governo a elevar o nível de enriquecimento de urânio para 20% na instalação nuclear Fordow, uma instalação que está fechada há 15 anos. O segundo artigo é sobre o aumento do estoque de urânio de baixo enriquecimento do Irã. O terceiro artigo estipula que o governo e a Organização de Energia Atômica do Irã (AEOI) devem usar 1.000 centrífugas avançadas IR-2M e IR-6 até março, produzir e armazenar pelo menos 120 quilos de urânio enriquecido com 20% de pureza a cada ano, e aumentar a produção mensal de urânio enriquecido para vários fins pacíficos com diferentes níveis de pureza em pelo menos 500 kg.

Subscribe to get access

Read more of this content when you subscribe today.

Advertisements
Advertisements
Advertisements

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.