As forças dos EUA deveriam permanecer ou deixar o Oriente Médio?

Elijah J. Magnier:

Trad. Alan Dantas
A viabilidade da permanência das forças norte-americanas no Oriente Médio ou de sua partida e o preço que devem pagar pelas consequências dessa decisão estão no centro da discussão. Estes pontos de vista expressam uma realidade que a administração dos EUA observa mais seriamente pela primeira vez com imparcialidade, especialmente porque ficou claro que todos os objetivos e resultados que queriam alcançar fracassaram e levaram a resultados contraproducentes. Reduzir ou retirar as forças de combate e confiar na diplomacia são dois passos suficientes para preservar os ganhos que foram alcançados até hoje em uma abordagem menos agressiva. Entretanto, o temor entre muitos oficiais ocidentais é que tal passo possa ser interpretado como um abandono do pântano do Oriente Médio e uma forma de os inimigos e concorrentes dos EUA – China, Rússia e Irã – assumirem e substituírem o vácuo deixado.

Subscribe to get access

Read more of this content when you subscribe today.

Os Estados Unidos lutaram diretamente ou através do apoio de seus aliados do Oriente Médio (leia-se, a guerra no Iêmen) vários conflitos nos últimos vinte anos que foram altamente custosos para o tesouro americano e não resultaram em paz ou estabilidade. De alguma forma, estas guerras produziram maior hostilidade às forças e à imagem dos EUA. Washington ganhou menos amigos do que esperava e expôs as forças americanas estacionadas em países (Iraque, Síria e Afeganistão) a perigos de intensidade variável. 

Consequentemente, os decisores ocidentais acreditam que é imperativo fechar várias bases militares espalhadas pelo Oriente Médio e retirar frotas navais desnecessárias estacionadas em países amigáveis do Golfo.

Esta ideia de libertar o Oriente Médio da presença militar norte-americana é oposta por aqueles que afirmam que as forças devem permanecer para proteger os aliados norte-americanos, especialmente Israel. Muitos estados e monarquias árabes não sobreviveriam uma semana sem os EUA, como disse o ex-presidente Donald Trump. Essas monarquias são os protegidos dos EUA e desfrutam da proteção dos EUA contra a revolta doméstica e o pedido de liberdade de suas populações.

Além disso, persistem os argumentos de que os EUA são necessários no Oriente Médio para impedir ataques terroristas contra os americanos; para promover transições democráticas e direitos humanos; para combater a corrupção; para fornecer ajuda humanitária; para acabar com os conflitos armados militares domésticos; para assegurar que as armas de destruição em massa não mais existam; para proteger a produção de energia; fazer frente a organizações como o Hamas e o Hezbollah; impedir que o Irã obtenha uma bomba nuclear; manter o poder de dissuasão e para assegurar a liberdade de navegação nos Estreitos críticos (Hormuz e Bab al-Mandab).

A resposta realista a essas preocupações não é complicada. Quando surgiram notícias sobre as três reuniões entre o Irã e a Arábia Saudita em Bagdá, o otimismo exagerado dominou e ainda prevalece. Os habitantes da região acreditavam que uma solução para múltiplos problemas remanescentes e guerras poderia emergir em breve. O Irã e a Arábia Saudita nunca estiveram em lua-de-mel. Entretanto, eles eram inimigos não declarados, e os EUA aproveitaram todas as oportunidades para semear um terreno fértil de animosidade e ódio entre os dois países para impedir a aproximação. As reuniões no Iraque aconteceram sem a presença de um patrocinador ou participante americano, ou de um mediador.

Além disso, a presença dos EUA no Oriente Médio não protegeu Israel do contínuo bombardeio do Hezbollah na guerra de Israel de julho de 2006, nem impediu o “Hamas” de bombardear áreas e cidades israelenses de norte a sul durante a operação “Espada de Jerusalém”. Consequentemente, “proteger Israel” é uma desculpa frágil porque os EUA fornecem a Israel as armas que desejam, treinam seus oficiais com o mais moderno equipamento militar e compartilham informações de inteligência sem necessariamente estarem geograficamente próximos a ele.

Com relação à necessidade de permanecer no Oriente Médio para evitar ataques terroristas contra os EUA, o Presidente Barack Obama introduziu a doutrina e a prática dos drones que as forças dos EUA utilizaram extensivamente em suas guerras contra alvos, matando indivíduos que pretendiam eliminar. Além disso, a experiência no combate ao terrorismo provou que se trata de uma cooperação entre agências de inteligência que impede grupos jihadistas de cometerem operações terroristas contra qualquer país. A presença de 60 mil militares americanos no Oriente Médio em dezenas de bases não impediu os bombardeios terroristas contra o USS Cole em 2000 e as Torres Gêmeas em Nova York em 2001, nem impediu ataques contra embaixadas e interesses americanos em todo o mundo (embaixadas e consulados americanos em 2004 na Arábia Saudita; Paquistão 2006; Turquia 2008; Paquistão 2010; Afeganistão 2011; Egito 2012, Turquia 2013; Afeganistão 2013).
Quanto à exportação da democracia, o próprio Presidente Donald Trump disse que não se importa com essa ação e adora os ditadores. Trump falou durante a experiência da administração que dirigiu sobre o fracasso da guerra do Afeganistão e Iraque em exportar a democracia e que as guerras dos Estados Unidos sob vários nomes não impediram que o Talibã avançasse para controlar várias cidades apesar da presença de cem mil soldados americanos no país. Além disso, a ocupação americana do Iraque em 2003 não impediu o surgimento de facções iraquianas que combateram as forças americanas e ainda as perseguem para forçá-las a sair da Mesopotâmia.

Quanto à luta contra a corrupção, o Oriente Médio está repleto de partidos políticos, líderes e decisores que seu povo acusa de corrupção. Estes políticos corruptos são os aliados mais antigos e mais próximos de Washington que desfrutam de sua proteção e de seu apoio financeiro em alguns casos. De fato, David Hale, o subsecretário de Estado para Assuntos Políticos, declarou que seu país gastou dez bilhões de dólares em partidos e organizações que não conseguiram alcançar os objetivos da América no Líbano para conter o Hezbollah.

A América não foi capaz de pôr fim a nenhum conflito armado que se envolveu no Oriente Médio. Durante a guerra contra o ISIS, o exército sírio e seus aliados combateram e derrotaram o grupo terrorista em 70 por cento dos territórios sírios. No nordeste ocupado da Síria, as forças norte-americanas impediram o exército sírio de atravessar o Eufrates para perseguir o ISIS e pediram aos curdos sírios que fizessem o trabalho, apoiados pelas forças norte-americanas em 23% do território. Os 7% restantes ainda estão sob a ocupação turca.

No Iraque, as “Forças de Mobilização Popular” (PMF) e o exército iraquiano e a Polícia Federal lutaram e derrotaram o ISIS e recuperaram o terço do país que perdeu para o grupo terrorista em 2014. O apoio dos EUA estava longe de ser a força motriz, mas apenas um valor agregado para ele. 

Ao ocupar o Iraque e o nordeste da Síria, os EUA não foram capazes de impedir a expansão do Irã e a influência do Hezbollah na Síria, nem poderia impedir o trânsito de comboios de abastecimento militar com vários tipos de armas avançadas, que estão fluindo para o “eixo de resistência” no Oriente Médio. Consequentemente, as forças dos EUA no Oriente Médio não conseguiram a dissuasão, mas de certa forma ajudaram a aumentar o ódio contra suas tropas, e deram origem a uma nova resistência bem armada e treinada. Estas têm o objetivo de expulsar as forças dos EUA do Oriente Médio.

Os EUA são incapazes de impedir o progresso da via nuclear iraniana, a menos que todas as sanções sejam levantadas e somente através das atuais negociações em Viena. Após a conquista da autonomização do Irã, as forças militares dos EUA destacadas no Oriente Médio certamente sofrerão muito no caso do uso da força contra o Irã. 

Em preocupação com a liberdade de navegação, ela só é assegurada no caso de não haver guerra ou hostilidade entre os EUA e o Irã. Teerã possui mísseis anti-navio precisos e supersônicos e drones armados e suicidas. Além disso, os EUA começaram a encontrar uma alternativa para sua navegação no Estreito de Hormuz em direção a Yanbu, no Mar Vermelho, para escapar do alcance dos mísseis balísticos do Irã. Além disso, todos os países ricos em petróleo que fazem fronteira com o Estreito de Hormuz encontraram uma forma de contornar o Estreito de Hormuz até os terminais do Mar Vermelho para transferir recursos energéticos no caso de uma guerra generalizada ou uma guerra de petroleiros, como aconteceu nos anos anteriores.

Portanto, de que adianta manter dezenas de milhares de tropas americanas no Oriente Médio? Não é a presença física significativa da força militar que impede os países do Oriente Médio de estabelecerem relações comerciais com a China, Rússia ou qualquer outro país que não seja a América. Em vez disso, a diplomacia branda e pesada é a arma menos dispendiosa e mais eficaz. Quando necessário, os EUA estão em condições de enviar as forças necessárias, como fizeram na Guerra do Golfo, no Afeganistão e na ocupação do Iraque.

A presença militar no Oriente Médio tornou-se uma fonte de preocupação para Washington e está causando mais danos do que benefícios para a segurança nacional e o interesse dos EUA. Espera-se que o assédio às tropas americanas aumente no Iraque e não podemos excluir o mesmo cenário na Síria em algum momento no futuro. Entretanto, quaisquer que sejam as discussões feitas em qualquer nível entre os tomadores de decisão, parece altamente improvável que veremos uma saída antecipada das forças dos EUA do Oriente Médio.

Advertisements
Advertisements
Advertisements

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.