Israel vai parar de brincar e quebrar os dentes no playground do “Eixo da Resistência”?

Elijah J. Magnier

Trad. Alan Dantas
Um capitão romeno e um oficial de segurança britânico foram mortos por um ataque com drone suicida no petroleiro Mercer Street – um navio de bandeira liberiana, de propriedade japonesa, que faz parte do Grupo Zodiac do bilionário israelense Eyal Ofer – que navegava da Tanzânia em direção aos Emirados Árabes Unidos. O primeiro ataque ao petroleiro causou apenas danos materiais, mas foi seguido por um segundo ataque em que a torre de comando e controle foi atingida para causar vítimas humanas. A Al-Alam TV informou que o ataque respondeu a um ataque israelense ao aeroporto al-Dab’aa na Síria, onde iranianos e libaneses do Hezbollah foram mortos e feridos. Portanto, o ataque israelense representa uma mudança na Regra de Engajamento (ROE), violando o limite de aceitação no conflito em curso e forçando o Irã a iniciar uma “campanha entre guerras“, que deverá aumentar de intensidade no futuro. O que é chocante para Israel é que, pela primeira vez, o Irã mostrou como todos os teatros estão ligados e como um ataque israelense é recebido com uma resposta inesperada no Mar de Omã.

Israel havia realizado mais de mil ataques contra alvos na Síria durante a década de guerra contra o exército sírio e alvos pertencentes ao “Eixo da Resistência”. Entretanto, o único resultado objetivo de Israel foi ampliar a influência do “Eixo da Resistência” no Levante – que venceu a guerra destrutiva e derrotou os grupos Takfiri (ISIS e al-Qaeda) e os diferentes grupos sírios apoiados pelos países do Golfo e do Ocidente. O “Eixo da Resistência” se ampliou e consolidou sua influência sobre o Iraque e o Iêmen, formando uma frente robusta contra Israel e seus aliados.

Israel tentou operar no teatro iraquiano, enviando drones suicidas que destruíram sete armazéns pertencentes às forças de segurança iraquianas al-Hashd al-Shaabi. Além disso, um drone israelense operando a partir de bases militares dos EUA na Síria e no Iraque atacou e matou um comandante iraquiano enquanto ele viajava em direção às fronteiras iraco-sírias.

Há dois anos, Israel enviou dois drones suicidas para a capital libanesa Beirute. Um explodiu perto do escritório do Hezbollah, e outro caiu e foi encontrado intacto, contendo explosivos. Isso gerou alarme entre os “Eixo da Resistência” de que Israel estava agora usando este tipo de drones kamikaze para atingir seus alvos, evitando ainda a responsabilização. O “Eixo da Resistência” adotou então este uso israelense de drones suicidas para muitos teatros.

Nos últimos dois anos e meio, Israel afirma ter realizado várias dezenas de ataques contra alvos iranianos. A “guerra de sabotagem” entre Irã e Israel não é mais um segredo, ambos os lados admitem sua respectiva responsabilidade pelos ataques infligidos um ao outro da maneira tradicional, através de vazamentos na mídia. O ex-Primeiro Ministro Benyamin Netanyahu quebrou explicitamente a prática israelense de negação e revelou a responsabilidade de Israel em muitos ataques de sabotagem e assassinatos ilegais contra cientistas e instituições iranianas.

Entretanto, é seguro reconhecer que Israel está brincando com o fogo, já que está operando fora de sua zona de conforto e competindo no playground do Irã. Além disso, Israel está claramente enfrentando um sério desafio à sua autoridade e reputação no Oriente Médio. A questão é: por quanto tempo ele pode sustentar este jogo de tête-à-tête que ele mesmo iniciou? 

O que é chocante para Israel é que o Irã respondeu no Mar de Omã contra um ataque israelense na Síria, introduzindo uma nova ROE e escolhendo o teatro diretamente e não através de seus aliados ou no mesmo teatro operacional no Levante. Esta escolha iraniana indica que Teerã evitou deliberadamente qualquer outra implicação do governo sírio, claramente indisponível para iniciar uma guerra aberta contra Israel. Também está dizendo que o Irã não será mais contido pelo quadro sírio para retaliação ou contenção, e escolherá onde atacar Israel por seus contínuos ataques a alvos iranianos no Levante.

De acordo com um alto funcionário do “Eixo da Resistência”, o Irã está ciente de que “90% dos bens de Israel passam pelo mar, que cai no teatro operacional do Irã e dentro de uma faixa confortável de seu alcance militar. Israel é indiscutivelmente um inimigo inteligente. Entretanto, a ideia de expandir seu teatro operacional dentro da área controlada do Irã é arrogante, provocativa e contraproducente. Israel está oferecendo ao Irã alvos ilimitados no mar para selecionar quando iniciar este jogo – o que, sem dúvida, irá quebrar os dentes. Israel tem muito mais a perder se decidir responder ao ataque iraniano porque a retaliação do lado iraniano não vai demorar muito. A última resposta iraniana foi significativa e equilibrada, impondo a dissuasão e uma nova Regra de Engajamento que ainda causa confusão e dor a Israel”.

Esta não é a primeira vez que Israel bombardeia o aeroporto de al-Dab’aa situado na área de al-Quseir. Israel considera a zona como uma base para o “Eixo da Resistência”, uma zona de armazenamento por sua precisão e mísseis estratégicos e uma área implicada na próxima guerra contra Israel. Entretanto, esta é a primeira vez que Israel visa um alojamento no aeroporto com a intenção aparente de causar vítimas humanas, matando e ferindo três pessoas. Israel estava, portanto, ciente de que a retaliação poderia estar a caminho. Entretanto, ignorou como, quando e onde. O petroleiro da Mercer Street foi inicialmente atacado por um drone que danificou apenas o petroleiro. O segundo ataque com um drone suicida contra esta embarcação operada por Israel parece ter como objetivo intencional causar vítimas humanas (duas pessoas foram mortas), aparentemente trazendo a conta com as perdas de al-Dab’aa para um empate.

“Se Israel levantar a tensão e os ataques, será enfrentado com atos semelhantes, a menos que a ROE tradicional seja restabelecida onde Israel bombardeia alvos insignificantes, destruindo armazéns substituíveis ou uma cozinha ou uma pista de decolagem. Caso contrário, Israel deve esperar represálias contra seus interesses em qualquer lugar, com ou sem uma escolta naval dos EUA. O banco de objetivos do Irã é abundante, e Israel é claramente muito mais vulnerável do que ele pode imaginar. Desta vez, o ataque ocorreu contra um petroleiro vazio, mas o suficiente para aumentar o preço do seguro e causar repercussões financeiras em Israel”, revelou a fonte.

Israel abriu a caixa de Pandora, e se esconder sob a saia dos EUA não protegerá os navios de propriedade israelense se os ataques na Síria continuarem. O Irã está realizando uma campanha “entre guerras” sobre Israel que contém escolhas limitadas. Qualquer escalada colocará em perigo a navegação israelense, e a falta de resposta significa que Israel decidiu morder suas feridas, sob os olhos vigilantes do mundo. A dissuasão iraniana tem sido imposta de qualquer maneira. A parte mais preocupante e crucial para Israel considerar é se o Irã invoca uma Regra de Engajamento toda vez que Israel bombardeia alvos na Síria ou apenas quando visa um objetivo pertencente ao “Eixo da Resistência”? Os próximos passos responderão a esta pergunta. Nenhuma das duas respostas é uma boa notícia para Israel, que desencadeou uma nova cadeia de eventos – da qual ele mesmo sofrerá.  

Advertisements
Advertisements
Advertisements

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.