Encontro Rússia-OTAN sobre a Ucrânia: os EUA por trás das cortinas


Trad. Alan Dantas

Oficiais russos e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) se reuniram em Bruxelas na quarta-feira para discutir as preocupações de Moscou sobre a adesão da Ucrânia à OTAN e uma presença militar ocidental ameaçando a segurança russa ao longo da fronteira ucraniana. Contudo, existe mesmo uma ameaça de segurança da Rússia ao continente europeu, ou a Europa se contenta em continuar atuando como escudo permitindo a Washington cumprir seus objetivos, especialmente confrontar Moscou?

Sem dúvida, os EUA estão liderando a OTAN, fazendo tudo ao seu alcance para defender sua posição como a nação mais forte do mundo que controla outros países. Sua posição está além de qualquer responsabilidade: impõe duras sanções a pessoas quando estas rejeitam ou resistem a esta hegemonia.

 A Segunda Guerra Mundial marcou o fim da cooperação EUA-Rússia contra a Alemanha nazista e o início da guerra fria. Washington começou sua guerra estabelecendo medidas duras contra os comunistas, que competiam com os planos dos EUA de governar e dominar a Europa e o mundo. A Segunda Guerra Mundial permitiu que a América colonizasse indiretamente a Europa. Até hoje, há mais de 70 mil soldados e oficiais americanos na Europa, a maioria deles na Alemanha (34.000), Itália (12.000), Grã-Bretanha (9.500), Polônia (4.500) e Espanha (3000). A América tem cerca de 750 bases militares espalhadas em 80 países, das quais pelo menos duzentas estão somente na Europa.

Subscribe to get access

Read more of this content when you subscribe today.

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.