O tecelão persa ataca no quintal dos EUA através da Venezuela

Por Elijah J. Magnier : @ejmalrai

Traduzido por: Alan Regis Dantas

Os petroleiros iranianos estavam a 2200 km da costa dos EUA quando o “Fortune”, de bandeira iraniana, entrou em águas venezuelanas, desafiando o embargo e as ameaças dos EUA. A República Islâmica estava enviando mensagens em todas as direções.

A primeira mensagem foi enviada à administração norte-americana depois que os líderes Árabes e do Golfo transmitiram uma mensagem direta aos líderes iranianos: “Washington está determinado a impedir os petroleiros iranianos de navegarem para a Venezuela”. O Irã respondeu a todas as mensagens recebidas que “seus cinco petroleiros navegarão para a Venezuela e se algum desses petroleiros for interceptado, o Irã responderá no Estreito de Hormuz, no Golfo de Omã ou em qualquer outro lugar que achar adequado”.

“Estes cinco petroleiros – Clavel, Fortune, Petunia, Forest e Faxon – são apenas o início do fornecimento para a Venezuela. O Irã tem o direito de enviar qualquer um de seus petroleiros para qualquer lugar do mundo e qualquer interceptação americana será considerada um ato de pirataria e desencadeará uma resposta direta”, disse um tomador de decisão iraniano que revelou a resposta iraniana à administração americana através de mensageiros.

“O Irã havia decidido evitar o chifre da África porque o plano era que o primeiro petroleiro chegasse às águas venezuelanas no primeiro dia do Eid el-Fitr. O objetivo é compartilhar um dia importante do desafio da República Islâmica aos EUA em seu quintal e quebrar as sanções impostas a um dos principais aliados do Irã”. É uma mensagem para o “Eixo da Resistência” que o Irã não vai abandonar seus amigos e aliados em nenhum lugar do mundo, sejam quais forem os desafios, e está enfrentando diretamente os EUA, impondo uma nova regra de engajamento”, disse a fonte.

O Irã fechou os ouvidos a todas as mensagens ameaçadoras dos EUA e instruiu seus cinco petroleiros a passarem não pelo chifre da África, mas pelo Golfo de Aden, pelo Estreito de Bab al-Mandab, pelo Canal de Suez e Gibraltar, para o Oceano Atlântico – onde os EUA têm uma forte presença e influência. Isso encurtou a distância e testou as intenções da Marinha americana. Simultaneamente, o Irã informou aos seus aliados que estava pronto para enfrentar os EUA se alguma vez uma escalada se aproximasse no horizonte, para que estes aliados dentro do “Eixo da Resistência” estivessem prontos para um confronto mais amplo, se necessário.

O primeiro petroleiro iraniano, “Fortune”, chegou ao Mar do Caribe no primeiro dia do Eid al-Fitr, no domingo 24 de maio, com navios da Marinha dos EUA nas proximidades. Os petroleiros estão transportando mais de 10 milhões de barris de petróleo, mas também Alquilato e peças de reposição para começar a reparar qualquer uma das oito refinarias “fora de serviço”, para permitir que a Venezuela rica em petróleo seja auto-suficiente no futuro. As sanções norte-americanas à Venezuela paralisaram as refinarias venezuelanas e causaram escassez de gasolina, com o objetivo de derrubar o presidente legitimamente eleito, Nicolas Maduro.

O Irã está desafiando a administração norte-americana e considera uma vitória que seu primeiro petroleiro passou sem ser interceptado. Teerã considera este desafio à autoridade norte-americana muito mais significativo do que a queda do drone mais sofisticado dos EUA ou o bombardeio da maior base militar dos EUA em Ayn al-Assad, Iraque.

“Nossos aliados costumavam se perguntar por que o Irã não está enfrentando o domínio americano cara a cara. Na verdade, estávamos nos preparando para este dia, e o que mais nos ajuda são as sanções dos EUA que forçam este país a ser autônomo em muitos níveis. Hoje, o Irã e seus aliados estão todos equipados com forte ideologia e motivação para enfrentar a hegemonia dos americanos, e apoio militar e financeiro suficientemente avançado para fazer frente aos EUA e seus aliados, tanto no Oriente Médio como fora da região. Desde a Segunda Guerra Mundial os EUA não enfrentam um desafio à sua hegemonia semelhante ao que o Irã está representando, particularmente quando o principal inimigo, os EUA, acredita que 40 anos de sanções e máxima pressão estariam paralisando as capacidades do Irã. O Imã Khamenei informou a todos os nossos aliados que o apoio militar e financeiro a todos eles aumentará e atenderá a todas as suas necessidades na Palestina, Líbano, Síria, Iraque e Iêmen. O Eixo da Resistência está agora pronto e unido como uma só frente”, disse a fonte.

A Venezuela havia pedido ajuda ao presidente Vladimir Putin. A Rússia disse claramente que não estava disposta a enviar navios perto da costa dos EUA porque isso poderia ajudar o presidente Trump ao desencadear uma falsa ameaça que poderia levar à unificação do sentimento nacional por trás dele. É por isso que Putin teve que recusar o pedido da Venezuela. O Irã se colocou à frente na primeira solicitação e foi grato pela oportunidade de desafiar os EUA e retribuir o apoio que a Venezuela ofereceu em 2008, quando o Irã estava necessitado e sob pesadas sanções dos EUA que proibiam a transferência de tecnologia para construir suas próprias refinarias. Desde então, o Irã construiu 11 refinarias (e mais 3 em Pars, Anahita e Bahman Geno que ainda estão em construção) e é considerado o terceiro país mais importante do mundo a ter desenvolvido a tecnologia de Gás para Líquido (GTL).

Desde que os norte-americanos assassinaram o Brigadeiro-General Qassem Soleimani no aeroporto de Bagdá, o Irã impôs novas regras de engajamento para os EUA. A mensagem consiste na inevitabilidade de uma resposta contra seus inimigos se eles atacarem o Irã, e na ameaça de que nenhum ataque ficará sem resposta. Parece que o Irã não está mais pronto para dar a outra face e decidiu tomar medidas especiais para responder a qualquer ataque contra suas tropas ou interesses, inclusive na Síria (mais detalhes serão fornecidos em outro artigo). Além disso, o Irã e seus aliados elevaram ao máximo o nível de prontidão caso a administração norte-americana decida atacar qualquer aspecto de interesses do Irã, incluindo a frota que se dirige à Venezuela.

O Irã não está enfrentando os EUA diretamente e não está pedindo aos seus aliados que façam o trabalho em seu nome. O “tecelão persa” esperou por 40 anos de sanções para este dia, até que sua capacidade e preparativos estivessem concluídos. Isso significa que agora o Irã será mais duro e mais difícil, e isso se manifesta na eleição do novo parlamento e do novo governo. O presidente Trump abusou e esgotou todas as vias utilizadas pelo presidente Hassan Rouhani. Portanto, qualquer nova negociação entre o Irã e os EUA será muito difícil: há uma total falta de confiança em qualquer documento assinado pelos EUA.

Quer um republicano ou um democrata chegue à Casa Branca no final de 2020, eles esperarão ao telefone por muitos e longos anos se imaginarem que o Irã tomará a iniciativa e convocará os EUA para uma reunião. Caberá agora aos EUA provar ao Irã que vale a pena realizar qualquer negociação.

O Irã plantou raízes robustas no Afeganistão, Palestina, Líbano, Síria, Iraque e Iémen. Agora está se espalhando em direção à Venezuela e apoiará o presidente Maduro para se posicionar contra a hegemonia e as sanções dos EUA. Espera-se que mais petroleiros sejam enviados num futuro muito próximo. O Irã está ansioso para enfrentar o presidente Trump e arrastá-lo para um confronto a apenas alguns meses das eleições. A má gerência do Coronavirus, os EUA repudiando seus acordos com a Rússia, a posição agressiva de Trump em relação à China e à Organização Mundial da Saúde e sua rejeição ao acordo nuclear iraniano (JCPOA) são possibilidades impressionantes para um desafio à sua reeleição. É por isso que o Irã está preparando mais surpresas para Trump – para mostrar que sua política do Oriente Médio está colocando em risco tanto a segurança dos EUA, os seus aliados na Europa e no Oriente Médio, quanto do resto do mundo.

http://www.dossiersul.com.br/o-tecelao-persa-ataca-no-quintal-dos-eua-atraves-da-venezuela

Elijah J Magnier é correspondente de guerra veterano e analista de risco político sênior com mais de três décadas de experiência.  

Este artigo foi traduzido gratuitamente para vários idiomas por voluntários, para que os leitores possam aproveitar o conteúdo. Não deve ser mascarado pelo Paywall. Gostaria de agradecer aos meus seguidores e leitores por sua confiança e apoio. Se você gostou, não tenha vergonha de contribuir e ajudar a financiar, por apenas 1 euro. Sua contribuição, por menor que seja, ajudará a garantir sua continuidade. Obrigado.

Copyright © https://ejmagnier.com   2020 

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.