O que se passou em Viena? Como o negociador ocidental ameaçou o Irã, e como se deu a resposta?

Trad. Alan Dantas
O que acabou de acontecer a portas fechadas das negociações de Viena sobre o acordo nuclear? Até onde chegaram as negociações euro-iranianas depois disso, a primeira sessão desde a eleição do novo presidente iraniano Ibrahim Raisi, e a sétima rodada de negociações desde o início das conversações entre as duas partes?

Uma fonte presente em Viena disse que “o problema para o negociador europeu é conhecer seu novo interlocutor iraniano e sua abordagem em relação ao acordo nuclear que é diferente do seu antecessor”. Em 2015, o governo do (antigo) presidente Hassan Rouhani estava convencido de que era necessário conseguir o acordo nuclear a qualquer custo, mesmo às custas dos interesses iranianos. O negociador iraniano revelou aos representantes europeus e americanos que o Irã estava sob grave crise econômica e precisava chegar a um acordo. O ex-negociador iraniano cometeu um erro estratégico. Quando o presidente Raisi tomou o poder, declarou que o acordo nuclear não era sua prioridade. Portanto, o progresso científico nuclear iraniano, o rápido desenvolvimento da capacidade nuclear iraniana, o urânio enriquecido e os modelos avançados de centrífugas nos últimos meses ofereceram ao negociador iraniano uma posição de força única que o anterior não possuía. É por isso que o Irã foi a Viena para negociar a partir de uma posição de força, não de fragilidde”.

A fonte oficial continua: “O negociador europeu ameaçou indiretamente o Irã duas vezes enquanto falava com seu interlocutor iraniano. O Ministro Adjunto das Relações Exteriores e chefe da equipe de negociação, Sr. Ali Bagheri Kani, respondeu adequadamente. O negociador europeu disse que Israel estava se preparando para atacar o Irã e que a Europa e os EUA não o impediriam indefinidamente se o Irã não concluísse o acordo. Além disso, o negociador europeu disse a Bagheri que a Europa poderia aderir às sanções dos EUA se Viena não progredisse. O chefe da equipe iraniana respondeu com veemência, dizendo que o Irã não aconselha nenhum país a provocá-lo porque está com seu dedo no gatilho. Portanto, não há dúvida de que o Irã responderá imediatamente a qualquer agressão de qualquer partido, não importa quão pequeno ou grande possa ser este agressor (insinuando um ataque de Israel ou qualquer ataque UE-EUA). Ele acrescentou que alguns poucos aviões israelenses não destruiriam o programa nuclear iraniano, mas apenas alguns alvos. Em contraste, o Irã pode causar uma destruição que Israel nunca testemunhou antes porque o Irã terá o poder legítimo e o direito de retaliar. Neste caso, o agressor, Israel ou qualquer outra parte envolvida, lamentará fortemente uma guerra mais ampla na região”.

”O continente europeu, ou pelo menos a França e a Alemanha, bem como o Reino Unido, que são os signatários do acordo nuclear de 2015, não se atreveram a impedir as sanções unilaterais dos EUA. Vocês – disse Bagheri aos seus interlocutores – não respeitaram suas assinaturas. Portanto, suas sanções unilaterais não farão diferença porque o Irã está se dirigindo para o Oriente. Embora Teerã se preocupe com os bons laços com a Europa, não se importa muito com o que o Ocidente fará ou não. Depois de termos experimentado as máximas sanções dos EUA, o Irã acredita que a Europa não tem muitas sanções a impor, afinal, os EUA não tinham mais sanções restantes para ninguém nos impor”, disse Bagheri ao negociador europeu. 

Subscribe to get access

Read more of this content when you subscribe today.

Advertisements
Advertisements
Advertisements

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.